Portal de Angola
Informação ao minuto

Antigo ministro sul-africano acusa Jacob Zuma por difamação

(DR)

O antigo ministro do Turismo Derek Hanekom acusou o ex-presidente sul-africano Jacob Zuma de difamação perante os tribunais por indicá-lo como um suposto espião a serviço do então regime do apartheid, noticiou a prensa latina.

Derek Hanekom, um combatente veterano contra o governo de minoria branca e membro do Comité Executivo do Congresso Nacional Africano (ANC), que ocupou vários cargos ministeriais desde a chegada da democracia na África do Sul em 1994, disse que os pronunciamentos de Zuma, prejudicaram a sua reputação e continuarão nesse caminho se não forem confrontados.

O processo contra Zuma exige uma indemnização de 500 mil rands, cerca de 35 mil dólares.

No mês passado, foi revelado que Hanekon havia lidado com representantes da oposição Fighters for Economic Independence (EFF) a questão da possível adopção pelo Parlamento Nacional de um voto de desconfiança contra Zuma, que demitiu-se a 14 de Fevereiro de 2018 em meio a protestos e pressões por suposta ligação com casos de corrupção.

Comentando o assunto, Zuma disse aos repórteres que não ficou surpreso com as revelações sobre esses contactos porque “Derek Hanekom é um conhecido agente do inimigo”.

Na mesma linha, Zuma denunciou dois outros líderes durante uma aparição a 15 de Julho perante a comissão anti-corrupção chefiada pelo juiz Raymond Zondo, vice-presidente da Suprema Corte da África do Sul.

Eles foram o antigo líder do ANC e reconhecido lutador contra o regime do apartheid, o ex-ministro do Serviço Público e Administração Ngoako Ramatlhodi, e General Siphiwe Nyanda, chefe das Forças de Defesa Nacional de 1998 a 2005 e Ministro das Comunicações de 2009 a 2010 .

Zuma disse que Ramaolhodi era um espião do regime de segregação racial e que Nyanda tinha laços com os serviços de inteligência do apartheid.

O caso apresentado hoje (terça-feira) perante os tribunais pelo antigo Ministro do Turismo junta-se a inúmeras outras disputas que surgiram nas últimas semanas, quando líderes sul-africanos compareceram à justiça para elucidar queixas contra eles, quase todos pelo Protectorado Público.

O mais relevante está ligado ao Presidente Cyril Ramaphosa, denunciado pelo Protector Busisiwe Mkhwebane por supostamente violar o Código de Ética Executivo.

Ramaphosa decidiu levar o caso ao tribunal em busca de uma fonte imparcial para julgar os pronunciamentos da Protectora, que teve pouca sorte perante os tribunais em outro litígio em que foi derrotada.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »