- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Greve de motoristas: Governo português descarta Requisição Civil

Greve de motoristas: Governo português descarta Requisição Civil

Euronews / de Ana Serapicos

Num dia planeado com semanas de antecedência, tanto pelo governo como pelos sindicatos, chegam agora os primeiros dados sobre a greve dos motoristas de matérias perigosas agendada para esta segunda-feira, em Portugal.

Apenas 23 dos 5660 motoristas de matérias perigosas de todo o país estão em greve, segundo a ATRAM, Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, a qual aponta para 0,4% de adesão à greve. Os sindicatos contestam os números e falam de uma adesão de 80%.

“Esta greve anunciada é uma vitória estrondosa para os representantes deste sindicato e uma derrota brutal para todos os trabalhadores sindicalizados neste sindicato”, assegurou o porta-voz da ANTRAM, André Matias de Almeida, em declarações à Lusa.

António Costa, primeiro-ministro português, em declarações à imprensa, falou em “civismo” e “serenidade”, e afastou para já Requisição Civil.

Na rede social Twitter admitiu que “todas as entidades estão a funcionar normalmente”.

Greve a partir da meia-noite de 12 de Agosto

Ainda nem o sol tinha nascido e já os primeiros camiões saíam para a estrada, para cumprirem os serviços mínimos decretados pelo governo de António Costa.

A greve foi preparada a pinças, tanto de um lado, como do outro. O governo decretou serviços mínimos de 50 a 100% para esta segunda-feira e a possibilidade de Requisição Civil, ou seja, proibição da greve, caso os serviços mínimos não fossem cumpridos, hipótese entretanto afastada.
Acusações nas primeiras horas de greve

O porta-voz dos motoristas denunciou alegados subornos aos condutores para falharem a greve. A ANTRAM negou todas as acusações e acusou o porta-voz de “mentir”.

A Comissão Central de trabalhadores veio criticar a posição do governo de definir serviços mínimos porque “põe em causa” o direito constiticional da greve. Direito, o qual, segundo o governo de António Costa não está a ser violado.

- Publicidade -
- Publicidade -

A espinhosa questão da desmobilização na RDC

As críticas de Leïla Zerrougui à reintegração de combatentes de grupos armados são tanto mais surpreendentes quanto, a este respeito, os resultados da ONU,...
- Publicidade -

Angola: como não deixar jovens universitários sem estudo, e não eliminar os professores que não pertencem ao Estado?

Embora muitas instituições de ensino superior estivessem engajadas para garantir que houvesse a continuidade das atividades letivas à distância, um levantamento feito por pesquisadores...

Os desafios de emigrar, segundo Paulo Paca

Paulo Paca é natural do Uíge, Angola, mas desde 1998 mora na Europa. Fugiu da guerra em busca de uma vida melhor na Holanda....

Breve ensaio sobre o absurdo

Foi do nome famoso do guerreiro francês Jacques de Chabannes, senhor de La Palice, que derivou o termo “lapalissada”, expressão que designa uma forte...

Notícias relacionadas

A espinhosa questão da desmobilização na RDC

As críticas de Leïla Zerrougui à reintegração de combatentes de grupos armados são tanto mais surpreendentes quanto, a este respeito, os resultados da ONU,...

Angola: como não deixar jovens universitários sem estudo, e não eliminar os professores que não pertencem ao Estado?

Embora muitas instituições de ensino superior estivessem engajadas para garantir que houvesse a continuidade das atividades letivas à distância, um levantamento feito por pesquisadores...

Os desafios de emigrar, segundo Paulo Paca

Paulo Paca é natural do Uíge, Angola, mas desde 1998 mora na Europa. Fugiu da guerra em busca de uma vida melhor na Holanda....

Breve ensaio sobre o absurdo

Foi do nome famoso do guerreiro francês Jacques de Chabannes, senhor de La Palice, que derivou o termo “lapalissada”, expressão que designa uma forte...

O perigo das políticas económicas recessivas em Angola

Preocupa muito a excessiva atenção que se dá à dívida pública e ao défice orçamental no discurso e na política económica em Angola. Temos...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.