- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Política Falcão e conselheiro em troca de palavras sobre o estado de Benguela

Falcão e conselheiro em troca de palavras sobre o estado de Benguela

VOA | João Marcos

Na primeira reunião do Conselho de Auscultação das Comunidades na província de Benguela, realizada na quarta-feira, 7, o governador Rui Falcão ouviu de um conselheiro críticas sobre o que considera ser falta de informação para uma população sofredora.

Alvo de observações críticas também pelas ausências da província sem o conhecimento dos governados, Falcão responde que não sabe administrar na rua, com folclore que nada resolve.

O encontro, primeiro em seis meses de existência deste órgão de consulta, até começou com o Gabinete do Plano e Estatística a informar que a revisão do OGE/2019 baixou o bolo para Benguela, mas o conselheiro, o jornalista João Carlos de Carvalho, analisou os quase três anos do governador.

‘’O que dizem as pessoas sobre os feitos da governação? Se não quisermos entender isto, estamos a dar tiro no próprio pé. Não queremos ter vantagens, mas temos de ver que a população martirizada pela guerra merece carinho, não que sejamos ríspidos’’, salienta Carvalho.

Em resposta, Rui Falcão diz que não sabe governar na rua, embora admita ser legítimo que os populares exijam informações sobre o estado da província.

‘’Entre estar a fazer folclore e normalizar cerca de 3 mil empregos e fazer show off ou trazer energia de Cambambe, eu sei o que tenho de fazer. Tenho metas, não sou obcecado por elas, mas sou, no limite, um trabalhador de corpo e alma. Agora… essa sua maioria de 20 pessoas com cartazes na rua agente conhece bem. Se quiser ir à praça para ver quem tem popularidade…‘’, desafia Falcão.

Atento a tudo, mas fora do Conselho de Auscultação das Comunidades, o activista cívico João Misselo da Silva critica a falta de comunicação nas ausências do governador provincial, por quem chamam as famílias em penúria alimentar no Capilongo.

‘’Em alguns casos, estas constantes ausências preocupam bastante, até provocam especulações. Deve haver, pela sua categoria enquanto governante, uma informação institucional’’, aconselha o activista.

- Publicidade -
- Publicidade -

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...
- Publicidade -

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Covid-19: Grupo de 34 reclusos infetados foge de prisão no Brasil

Um grupo de 34 presos, infetados com covid-19, fugiu esta terça-feira através de um túnel de uma prisão no Brasil, com graves problemas de...

Zimbabwe aceita devolver terras a fazendeiros brancos

O Governo zimbabweano está a elaborar um plano para possibilitar a devolução, a milhares de fazendeiros brancos, das terras que lhes foram violentamente retiradas...

Notícias relacionadas

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Covid-19: Grupo de 34 reclusos infetados foge de prisão no Brasil

Um grupo de 34 presos, infetados com covid-19, fugiu esta terça-feira através de um túnel de uma prisão no Brasil, com graves problemas de...

Zimbabwe aceita devolver terras a fazendeiros brancos

O Governo zimbabweano está a elaborar um plano para possibilitar a devolução, a milhares de fazendeiros brancos, das terras que lhes foram violentamente retiradas...

Inacom e parceiros criam plataforma de diálogo

O Instituto Angolano das Comunicações (INACOM), as operadoras e as associações dos consumidores, decidiram, a partir desta quinta-feira, em Luanda, a criação de uma...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.