Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Rejeitada inconstitucionalidade de alterações à lei do enclave de Oecusse

(ANTONIO AMARAL/LUSA)

DN|Lusa

O parlamento timorense defendeu hoje a constitucionalidade de um conjunto de alterações à lei que criou a Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA) e que foram alvo de um pedido de fiscalização preventiva por parte do Presidente da República.

Num pedido remetido hoje ao Tribunal de Recurso, e a que a Lusa teve acesso, o Parlamento Nacional pede à mais alta instância da justiça timorense que “declare improcedente, por não provado, o pedido de fiscalização preventiva da constitucionalidade”.

A presidente do Parlamento Nacional em exercício, Maria Angelina Sarmento, respondeu hoje a um pedido do Tribunal de Recurso para se pronunciar no âmbito do pedido de fiscalização preventiva da constitucionalidade feito pelo Presidente da República a várias emendas à lei da Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA).

O parlamento sustenta que se enquadra no quatro constitucional “atribuir ao governo a competência para nomear o titular de um dos órgãos da entidade jurídica criada para que o Estado possa prosseguir o desenvolvimento económico e social do enclave de Oecusse Ambeno e, necessariamente, também a nível nacional”.

“A alteração aprovada pelo Decreto em apreço não constitui qualquer violação de qualquer regime constitucional do enclave de Oecusse-Ambeno”, sustenta.

Cabe “ao legislador ordinário, no espaço da livre conformação política que lhe assiste, determinar essa organização administrativa e determinar o tipo de entidades e respetivos órgãos que devem, no enclave de Oecusse, implementar a política definida para todo o país pelos órgãos competentes”.

No seu pedido de fiscalização preventiva, o chefe de Estado, Francisco Guterres Lu-Olo, considera que as alterações aprovadas no parlamento ignoram as especificidades da região, criticando igualmente a decisão dos legisladores retirarem o Presidente da República do processo de nomeação do responsável regional.

Lu-Olo pediu que o tribunal decida em 15 dias sobre a constitucionalidade das emendas e se pronuncie sobre o “desvio de poder legislativo pelo Parlamento Nacional”, por “exercer o poder legislativo (…) de um modo desconforme com o exigível constitucionalmente como legislador ordinário”.

Para o Presidente timorense, o estatuto jurídico da RAEOA fica, com as emendas, limitado na capacidade de servir o desenvolvimento regional.

O parlamento considera que a Constituição “não diz que o Presidente da República deve intervir na designação dos órgãos das entidades jurídicas que venham a existir no enclave”, não sendo “minimamente demonstrado” como a nomeação do presidente regional afeta a soberania ou unidade do Estado.

“Salvo melhor entendimento, esses valores fundamentais são protegidos pela inexistência, na Lei Fundamental, de um estatuto de autonomia política para o enclave de Oecusse Ambeno e pela consagração de comandos constitucionais que determinam, apenas, um tratamento administrativo e económico especial”, refere.

“Se o argumento vertido no pedido fosse válido, todo o qualquer órgão de toda e qualquer entidade jurídica criada para prosseguir interesses do Estado teria de ser nomeado pelo Presidente da República, o que confrontaria com o princípio fundamental da separação e interdependência de poderes”, sublinha.

Na sua resposta, o Parlamento recorda que a RAEOA é “uma pessoa coletiva territorial de direito público dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial, adequada à prossecução dos objetivos previstos” na lei que a criou.

Cabe ao Governo nacional “definir a política geral e as traves mestras das atividades a desenvolver pela região” que “está sujeita a tutela, de legalidade e de mérito, a exercer pelo primeiro-ministro”.

Assim, sustenta, os órgãos da região representam a pessoa coletiva junto dos órgãos de soberania e demais entidades do Estado, não tendo, porém, a “capacidade para representar a população da região e uma consequente responsabilidade política, o que só poderia advir de uma eleição diretamente pela população”.

“O Parlamento Nacional não exerceu o seu poder legislativo em desconformidade com o que lhe é exigível constitucionalmente, inexistindo qualquer desvio de poder legislativo”, sustenta.

“O pedido de fiscalização da constitucionalidade é, por isso, infundamentado e deve improceder”, conclui.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »