- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Líder da Renamo diz que acordo marca fim da "lógica da violência"

Líder da Renamo diz que acordo marca fim da “lógica da violência”

DN|Lusa

O líder da Renamo, Ossufo Momade, assegurou hoje que o acordo de cessação das hostilidades, que assinou com o Presidente moçambicano, marca o fim da “lógica da violência”, defendendo eleições livres, justas e transparentes para a duração do entendimento.

“Queremos garantir ao nosso povo e ao mundo que enterramos a lógica da violência como forma de resolução das nossas diferenças”, declarou o líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), falando após assinar com Filipe Nyusi o acordo de cessação definitiva das hostilidades militares.

Ossufo Momade frisou que o seu partido se compromete a garantir a manutenção da paz e a reconciliação nacional, como alicerces para o desenvolvimento económico e social.

“Queremos enterrar a cultura da violência e da falta de aceitação do outro, a negação das liberdades e dos direitos fundamentas dos moçambicanos”, frisou Ossufo Momade.

A Renamo, prosseguiu, está empenhada em assegurar o sucesso do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) do seu braço armado, mas espera que o Governo crie as condições adequadas para o futuro da vida dos seus guerrilheiros, dentro do espírito do acordo hoje assinado.

A violência armada que culminou com o acordo de hoje, prosseguiu Ossufo Momade, foi desencadeada pela falta de eleições livres, justas e transparentes em Moçambique, pelo que as eleições gerais de 15 de outubro devem decorrer dentro de princípios democráticos, para que o país não resvale novamente para a instabilidade.

“O passado muito recente nos ensinou que a ausência da boa-fé fragiliza os compromissos e é nesse sentido que exortamos para o cumprimento dos princípios plasmados no acordo, porque só assim garantiremos a estabilidade e harmonia”, destacou o líder da Renamo.

O Governo moçambicano e a Renamo já assinaram em 1992 um Acordo Geral de Paz, que pôs termo a 16 anos de guerra civil, mas que foi violado entre 2013 e 2014 por confrontos armados entre as duas partes, devido a diferendos relacionados com as eleições gerais.

Em 2014, as duas partes assinaram um outro acordo de cessação das hostilidades militares, que também voltou a ser violado até à declaração de tréguas por tempo indeterminado em 2016, mas sem um acordo formal.

- Publicidade -
- Publicidade -

Portugal condena ingerência dos EUA

O Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, respondeu, ontem, ao embaixador dos Estados Unidos da América (EUA) em Lisboa, afirmando que “em Portugal...
- Publicidade -

Moradores de bairro lisboeta vivem sem água e deitam dejectos para a rua

A câmara está a estudar um projecto de requalificação mas ainda não tem uma solução para o problema. Em pleno centro de Lisboa, perto do...

Covid-19: Bares e restaurantes encerram 15 dias em Marselha

Os bares e os restaurantes de Marselha fecharam este domingo as portas ao público. Nos últimos dias, a região de Marselha tenta travar a...

Nagorno-Karabakh debaixo de fogo: Arménia e Azerbaijão relatam perdas mútuas em combates

A porta-voz do Ministério da Defesa da Arménia, Shushan Stepanyan, relatou na terça-feira (29) a eliminação de veículos blindados azeris durante combate no começo...

Notícias relacionadas

Portugal condena ingerência dos EUA

O Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, respondeu, ontem, ao embaixador dos Estados Unidos da América (EUA) em Lisboa, afirmando que “em Portugal...

Moradores de bairro lisboeta vivem sem água e deitam dejectos para a rua

A câmara está a estudar um projecto de requalificação mas ainda não tem uma solução para o problema. Em pleno centro de Lisboa, perto do...

Covid-19: Bares e restaurantes encerram 15 dias em Marselha

Os bares e os restaurantes de Marselha fecharam este domingo as portas ao público. Nos últimos dias, a região de Marselha tenta travar a...

Nagorno-Karabakh debaixo de fogo: Arménia e Azerbaijão relatam perdas mútuas em combates

A porta-voz do Ministério da Defesa da Arménia, Shushan Stepanyan, relatou na terça-feira (29) a eliminação de veículos blindados azeris durante combate no começo...

Covid-19: Professores do ensino geral testados a partir de amanhã

Professores do ensino geral, em Luanda, começam a ser testados amanhã, a partir das 8 horas, no Largo das Escolas, junto ao INE-Marista, informou,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.