- Publicidade-
InicioDestaquesDeclarantes exigem do réu Francisco Massota a devolução de dinheiro

Declarantes exigem do réu Francisco Massota a devolução de dinheiro

Cinco declarantes, arrolados no julgamento do comissário da Polícia Nacional Francisco Massota, exigiram ontem em Tribunal, ao principal réu, a devolução total dos valores entregues à ré Elizandra Tomás para o seu ingresso nas fileiras da corporação, avança o JA.

Ontem, o Supremo Tribunal Militar ouviu cinco declarantes que afirmaram, de forma separada, terem entregue, cada um, a quantia de 300 mil kwanzas à ré Elizandra Tomás, que havia se comprometido a fazer chegar ao comissário Francisco Massota, para facilitar o ingresso na Polícia Nacional.

Durante a nona sessão de audiência, o juiz da causa ouviu os declarantes Patrick Junqueira, Marcos Morais Baião, Josimar Domingos, Felisberta Domingos, Augusto António Nguenji, que foram unânimes em afirmar que entregaram 300 mil kwanzas, entre 2015 e 2016, à ré Elizandra Tomás. Patrick Junqueira, 24 anos, motorista de profissão, disse que entregou pessoalmente 300 mil kwanzas à ré Elizandra Tomás, a quem conheceu em Fevereiro de 2016.

Segundo ele, a agente lhe havia dado garantias de resolver o caso no mês seguinte, ou seja em Março, o que não aconteceu.

O jovem pretende tão somente que lhe seja devolvido o dinheiro que entregou, uma vez que não chegou a ingressar na corporação, desejo também manifestado por Marcos Baião, que afirma ter entregue também igual montante à ré, em Setembro de 2015, com a mesma finalidade.

Felisberta Domingos, 42 anos, disse que entregou a mesma quantia à agente Elizandra Tomás, para facilitar o ingresso do seu filho.

Angelina Tomás, mãe da ré Elizandra Tomás, arrolada como testemunha, desmaiou ontem, em pleno Tribunal, quando era interpelada pelo juiz da causa, tenente-general Domingos Salvador.

O Supremo Tribunal Militar vai continuar a ouvir mais declarantes neste processo que teve início no dia 23 de Junho. Em audiências anteriores, Elizandra Tomás e a irmã, Márcia Crispim, afirmaram que o dinheiro recolhido foi entregue ao comissário Francisco Massota.

O Tribunal sustenta que o valor total do montante recolhido está cifrado em 26 milhões de kwanzas. Deste valor, Francisco Massota diz ter devolvido 600 mil e 400 kwanzas, de um milhão e 800 mil kwanzas, que afirma ter recebido.
O comissário Francisco Massota, 59 anos, conselheiro do comandante-geral da Polícia Nacional, é julgado por suposta prática de 30 crimes de burla por defraudação, conduta indecorosa e abuso no exercício do cargo, quando era o director da Escola Nacional de Formação de Polícia de Protecção e Intervenção.

Além de Francisco Massota, estão arrolados no processo como réus cinco elementos da Polícia Nacional: as agentes Márcia Crispin e Elizandra Tomás, os subinspectores Elsa Manuel e Belchior Kussendala, além do intendente Veloso Moisés, acusados de conduta indecorosa e burla.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.