Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Lei de Amnistia: É o fim do conflito militar em Moçambique?

Lourenço do Rosário, académico e antigo mediador entre a RENAMO e o Governo (DR)

“Só a Lei de Amnistia não basta”, considera Lourenço do Rosário. O académico aponta três elementos-chave para a paz efectiva no país: “clima de confiança, espírito de reconciliação e sentido de Estado”.

O Parlamento moçambicano aprovou na segunda-feira (29.07) a Lei de Amnistia, que dá garantias de impunidade para os crimes contra a segurança do Estado cometidos entre 2014 e 2016, durante o conflito militar entre a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) e as Forças de Defesa e Segurança (FDS).

Em entrevista à DW África, o antigo mediador entre a RENAMO e o Governo moçambicano, Lourenço do Rosário, considera que não basta uma lei de amnistia para que o país tenha uma paz efectiva. Segundo do Rosário, é “preciso a criação de um clima de confiança, espírito de reconciliação e sentido de Estado”.

O académico apela, por isso, aos actores políticos para que não se cometam os mesmos erros do passado no processo de pacificação do país.

Na segunda-feira, começou também o processo de registo dos guerrilheiros da RENAMO para o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) nas forças de defesa e na polícia. E Lourenço do Rosário diz que não se pode ignorar as reivindicações da alegada Junta Militar da RENAMO para que este processo não seja “envenenado”.

DW África: Com a aprovação da Lei de Amnistia pela Assembleia da República de Moçambique, acredita que este seja o fim do conflito político no país?

Lourenço do Rosário (LR): Em 2014, passámos exactamente por estas situações na véspera das eleições. Foi aprovada a lei eleitoral na Assembleia da República. Foi criada a EMOCHM [Equipa Militar de Observadores Internacionais da Cessação das Hostilidades Militares], para o desarmamento e enquadramento dos guerrilheiros da RENAMO, e foi assinado o acordo de cessação das hostilidades políticas e aprovada a lei da amnistia.

Logo a seguir, houve eleições e entrámos de novo em crise pós-eleitoral. Hoje o discurso político tem privilegiado o conceito de paz efectiva. Mas Moçambique nunca conheceu uma paz efectiva desde o acordo de paz em 1992, porque as zonas de conflitualidade existem constantemente.

DW África: O que realmente falhou ou tem estado a falhar em todos estes processos?

LR: A criação de um clima de confiança, um espírito de reconciliação e ter-se o sentido de Estado: estes três factores são fundamentais. Se se criar um clima de confiança, e não se pensar que o outro está a fazer batota, se houver reconciliação e se aceitar aquele que pensa diferente como sendo útil para o processo de desenvolvimento do país, penso que estas coisas acabam por esbater-se.

DW África: Não basta apenas ter uma lei de amnistia – é preciso confiança. É isso que quer dizer?

LR: Sim. A lei não quer dizer nada. Agora foi aprovada a Lei de Descentralização e da outra vez foi a lei eleitoral, com a paridade nos órgãos eleitorais – Comissão Nacional de Eleições (CNE) e Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) – e a lei de amnistia, mas [estes instrumentos] não deram em nada. Por exemplo, o facto de a RENAMO estar na CNE não criou confiança suficiente para que não houvesse conflito pós-eleitoral.

DW África: Iniciou na segunda-feira o registo dos militares da RENAMO para a reintegração e desmobilização. O que se pode esperar deste processo?

LR: Se esta contestação à liderança de Ossufo Momade for real, então as coisas já estão envenenadas logo à partida. Se não for real, e for insignificante, podemos ter alguns ganhos. Mas é muito difícil falarmos em paz efectiva no país sem que estas coisas todas sejam resolvidas.

DW África: Faz-se de tudo para que o país chegue às eleições de 15 de Outubro com uma RENAMO desmilitarizada. Acredita que isso é possível, tendo em conta os timings?

LR: A primeira questão é acreditar que vamos ter uma RENAMO não militarizada, porque o processo que começou está a ser realizado entre o Governo e Ossufo Momade, que está mais ou menos fragilizado, porque tem uma parte dos militares da RENAMO a contestá-lo. Esse é um aspecto importante que não deve ser ignorado.

Há uma coisa que me parece importante: a ausência do Afonso Dhlakama como sujeito fundamental na condução deste processo traz-nos uma incógnita em termos de gestão de [possíveis] conflitos pós-eleitorais.

Outra coisa é saber quem serão os actores se houver conflitos – temos o problema do recenseamento eleitoral de Gaza… Portanto, há vários problemas no ar, que não podemos ignorar para situações pós-eleitorais.

DW África: Ao fim de todo este processo, acredita que vamos ter a RENAMO completamente desarmada?

LR: O problema principal é político, porque a RENAMO reivindica paridade nas chefias das forças de defesa e reivindica a entrada na SISE [Serviços de Inteligência e Segurança do Estado]. Este é um sector muito sensível. Não sei se isso é fácil, porque não se tem falado nisso. Se esta questão política servir de carta de garantia para a entrega das armas, temos um problema. Mas se isso for resolvido, naturalmente que as armas vão ser entregues normalmente.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »