Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Criança exposta ao HIV por transfusão de sangue é negativa – INLS

Angola regista morte anual de 13 mil pessoas por causa do VIH/SIDA (DR)

O Instituto Nacional de Luta Contra Sida (INLS) reafirmou nesta terça-feira, em Luanda, que a criança exposta ao HIV por transfusão de sangue, há nove meses, no Hospital Pediátrico de Luanda “David Bernardino”, “está livre do HIV e da Sida”, avança a Angop.

Em declarações à Rádio Nacional de Angola, a médica Graça Manuel, que falava em nome do INLS, considerou infundadas as declarações e acusações feitas por familiares da menor.

Nos últimos dias, familiares da mesma veicularam, por via das redes sociais, informações que davam conta de uma suposta contaminação da criança.

A propósito, Graça Manuel esclareceu que, com a transfusão sanguínea, a criança esteve exposta ao vírus, mas não foi contaminada.

Com base em evidências científicas, afirmou, a mesma “não tem e não terá o VIH ou SIDA” como resultado desta exposição.

“Actualmente a criança é negativa. Temos exames complementares que demonstram e apresentam negatividade”, reafirmou.

Adiantou que em função das “medidas tomadas e do seguimento rigoroso do estado da criança, foi possível, nas análises regulares, observar a redução gradual dos anticorpos até a sua eliminação e a confirmação de ausência da carga viral, o que significa que a criança foi exposta, mas não foi infectada”.

O Instituto Nacional de Luta contra a SIDA avaliou a criança e cerca de 18 horas após a transfusão com sangue contaminado, iniciou o tratamento preventivo com antirretrovirais, que de acordo com os protocolos internacionais deve ser iniciado até 72 horas após uma exposição ao VIH, para evitar a sua entrada e replicação nas células do sistema imunológico do indivíduo exposto.

No mundo, há pelo menos mais dois casos que foram publicados em revistas científicas e que tiveram o mesmo desfecho.

Em 1998, no Brasil, uma mulher adulta negativou na amostra do sétimo mês após transfusão. Já em 2014, na Arábia Saudita, publicado em conjunto com a Universidade de Harvard, uma criança de 12 anos negativou no sexto mês após a exposição.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »