Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Em São Tomé e Príncipe já se sonha com os Jogos Olímpicos de 2020

A pouco menos de um mês do início da 12ª edição dos Jogos Africanos, em Rabat, Marrocos, a seleção de atletismo de São Tomé e Príncipe está focada num estágio de preparação no Estádio Nacional 12 de Julho. (DR)

DW África

Os atletas são-tomenses preparam-se para testar os seus limites nos Jogos Africanos em Marrocos, na esperança da qualificação para os Jogos Olímpicos de 2020 em Tóquio, no Japão.

A pouco menos de um mês do início da 12ª edição dos Jogos Africanos, em Rabat, Marrocos, a selecção de atletismo de São Tomé e Príncipe está focada num estágio de preparação no Estádio Nacional 12 de Julho.

É a primeira vez que os Jogos Africanos servem como prova de qualificação para aquela que é vista como a rainha de todas as competições: os Jogos Olímpicos.

Falta de apoios

Gorete Semedo, 20 anos, é velocista e está ciente das dificuldades que a esperam em Rabat. “Vai ser um grande desafio. Treino, mas não tenho todas as condições necessárias. Aqui não temos ginásio”, lamenta a jovem.

Em 2016, após cortar a meta dos 100 metros com o tempo de 11.50 segundos, a atleta ganhou de imediato direito a uma bolsa olímpica, financiada pela Solidariedade Olímpica, com o objectivo de treinar num centro de alto rendimento no estrangeiro. Gorete Semedo nunca chegou a sair do país.

A Federação de Atletismo de São Tomé e Príncipe não terá encontrado um centro que pudesse acolher a atleta. “Tenho o objectivo de fazer o mínimo de 11.40 ou 11.30 segundos. Tenho uma bolsa olímpica e já deveria estar fora do país. Mas estão a trabalhar no sentido [de usufruirmos] da bolsa”, comenta a velocista.

Em Sevilha, Espanha, os canoístas Bully Triste e Rock Neto preparam com afinco a grande competição. Os dois atletas vão também marcar presença em Marrocos e lutar pela qualificação. Triste esteve nos Jogos do Rio de Janeiro (2016) e encara o apuramento para aquela que será a segunda participação nas Olimpíadas com responsabilidade.

“Cada vez que falo com Bully, ele diz-me que não vai viajar para brincar, mas sim para se qualificar para os Jogos Olímpicos”, comenta João Costa Alegre, presidente da Federação de Canoagem de São-Tomé e Príncipe e do Comité Olímpico nacional. “Vai ser uma competição renhida”, acrescenta.

Sem verbas para a estadia em Rabat

São Tomé e Príncipe estará presente nos Jogos Africanos em Marrocos com uma delegação de 21 atletas de desportos como atletismo, canoagem, taekwondo e xadrez.

O Estado ainda não conseguiu garantir o pagamento da estadia da delegação em Marrocos. O Comité Olímpico são-tomense já desbloqueou cerca de 60 mil euros, mas falta ainda algum financiamento por parte do Governo. “Falta-nos uma parte fundamental que é a estadia e o pagamento de cotas para estar em Marrocos. Creio que tudo estará a postos e que iremos, porque o Governo já se comprometeu”, diz Filipe Neto, chefe da missão para os Jogos Africanos.

Entre os dias 19 e 31 de Agosto, 53 países competem em 26 modalidades desportivas nos Jogos Africanos de Rabat, Marrocos, a maioria com o objectivo de carimbar o passaporte rumo ao Japão em 2020.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »