InicioDestaquesCaso CNC: Supremo recolhe testemunho do ministro dos Transportes

Caso CNC: Supremo recolhe testemunho do ministro dos Transportes

O ministro dos Transportes, Ricardo D’Abreu, será ouvido esta quarta-feira pelo Tribunal Supremo, no “Caso CNC”, que envolve o seu antecessor, Augusto da Silva Tomás, e quatro ex-responsáveis do Conselho Nacional de Carregadores.

Segundo avança Angop, o governante será ouvido na qualidade de declarante arrolado nos autos pelo tribunal, constando, igualmente, nessa condição, o presidente da Administração Geral Tributária (AGT), Sílvio Burity, e os actuais directores Nacional do Tesouro e do CNC.

Ainda hoje, durante a audiência de discussão e julgamento, a advogada de Augusto Tomás, Paula Godinho, requereu que seja arrolado o actual ministro das Finanças, Archer Mangueira, para efeitos de esclarecimento da execução financeira das unidades orçamentadas.

O seu pedido surge em função de considerar que a antiga Inspectora Superior do Ministério das Finanças, Helena de Sousa, ouvida em tribunal, prestou “esclarecimentos deficientes” sobre a matéria em causa no tribunal.

Porém, é entendimento do Ministério Público que o processo atingiu uma fase processual em que já não se pode arrolar mais declarantes, uma vez que isso devia ter sido feito na fase de introdução contraditória, posição contrária da causídica, que alega não ter sido ouvida na aludida etapa.

Nesse alinhamento, o júri da causa anuiu ao requerimento, mas remeteu a decisão para esta quarta-feira.

Caso haja tempo, o tribunal prevê interrogar mais dois peritos do Banco Nacional de Angola (BNA), além das testemunhas Ismael Diogo, presidente da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), Justino Fernandes, antigo presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF) e Avelino dos Santos, todos a pedido da advogada de Augusto Tomás.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.