Portal de Angola
Informação ao minuto

PM e agentes da Supervia são presos acusados de abusar sexualmente de jovens

Mães dos jovens estão na Defensoria, onde se encontram com advogados e representantes da Supervia em busca de acerto por danos morais (Foto: Felipe Grinberg)

Jornal Extra

Dois agentes da Supervia e um dos policiais militares acusados de abusarem sexualmente de dois jovens na estação Maracanã, no último domingo, foram presos nesta sexta-feira. O outro PM que foi identificado pelas vítimas ainda está sendo procurado.

Uma reunião convocada pela Defensoria Pública do Rio, na tarde desta sexta-feira, com representantes da Supervia, empresa responsável pelos trens do Rio, e parentes dos dois jovens abusados sexualmente no último domingo na estação do Maracanã, na Zona Norte, terminou sem um acordo formalizado. Mas, segundo os defensores públicos, a empresa se mostrou disponível a negociar um acordo por danos morais às famílias.

O defensor público Rodrigo Pacheco afirma que os dois jovens relataram que foram obrigados a rolar em fezes e urina que tinham no local onde o vídeo foi feito, ainda antes de terem sido obrigados a praticar sexo oral um no outro.

— Isto mostra o sadismo dos agentes — afirmou Rodrigo.

Ele revelou, também, que a dupla diz estar sofrendo ameaças de policiais militares no município onde moram, em Paracambi, na Região Metropolitana do Rio, cidade próxima a Japeri. Eles contam que, quando passaram em frente a policiais militares da região, eles mostraram a arma e fizeram comentários debochados sobre o vídeo.

Visivelmente abalada ao lembrar do que aconteceu com seu filho, uma das mães relatou que perdeu seu emprego devido à toda a confusão. Ela conta que, no domingo, quando tudo aconteceu, o rapaz chegou um tanto quanto desorientado e com um forte odor, mas não quis contar o que havia acontecido.

Ela confirmou que o filho conhecia o outro jovem há anos e que foram ao local para comprar droga. A mãe també contou que soube do vídeo porque seu outro filho, mais velho, recebeu e enviou a ela.

— Estou vivendo à base de remédios, e ninguém da Supervia veio nos procurar até agora. Eles não encontraram os meninos com drogas, e, se tivessem, deveriam ter mandado para a delegacia, não fazer o que fizeram — desabafou.

A outra mãe, igualmente fragilizada, disse que soube da situação por vizinhos que começaram a questiona-la. Ela lembra que, no domingo, o filho chegou a comentar que tinha apenas apanhado. Ela conta que por causa dos comentários vexatório avalia em sair do estado

— Quero que isso tudo acabe, que eles possam superar e tocar a vida normalmente — desabafou.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »