Portal de Angola
Informação ao minuto

EUA aplicam sanções à agência de contrainteligência da Venezuela

Activista opositor homenageia Acosta em Caracas (AFP / YURI CORTEZ)

AFP

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira a aplicação de sanções à Direção Geral de Contra-Inteligência Militar (DGCIM) da Venezuela após a morte por suposta tortura do militar Rafael Acosta, preso naquele centro sob acusação de conspirar contra o presidente Nicolás Maduro.

“A prisão por razões políticas e a morte trágica do capitão Rafael Acosta foi injustificada e inaceitável”, disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, anunciando a medida.

As sanções implicam no bloqueio de todos os ativos e ativos que a DGCIM tem direta ou indiretamente sob a jurisdição dos Estados Unidos, bem como a proibição de qualquer transação legal envolvendo indivíduos e entidades americanas.

O Departamento do Tesouro está comprometido a “pôr fim ao tratamento desumano” do governo de Maduro em relação a seus opositores, ressaltou Mnunchin, citado em comunicado.

Acosta morreu em 29 de junho sob custódia da DGCIM. O capitão da Marinha venezuelana havia sido preso em 21 de junho vinculado a um suposto plano para matar Maduro.

Dado por desaparecido durante uma semana, foi apresentado em 28 de junho diante de um tribunal militar em cadeira de rodas, incapaz de falar e com sinais de tortura. O juiz ordenou sua transferência a um hospital militar, onde horas depois morreu.

A morte de Acosta “é somente a demonstração mais recente de brutalidade implementada por uma agência conhecida por seus métodos violentos”, disse o Tesouro, indicando que o uso da tortura por parte da DGCIM já foi detalhado pelo Escritório da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, assim como pela Organização dos Estados Americanos e a ONG Human Rights Watch.

De Caracas, o líder opositor venezuelano Juan Guaidó, a quem os Estados Unidos reconhece como presidente interino, aplaudiu as sanciones financeiras dos Estados Unidos contra a DGCIM.

“Trabalhando em coordenação com nossos aliados, estamos fazendo justiça diante da tortura e da perseguição. Os que ordenam, executam e permitam violações aos Direitos Humanos devem saber que haverá consequências e que a opção é colocar-se do lado dos venezuelanos”, disse no Twitter.

Os Estados Unidos, que lideram a pressão internacional para tirar Maduro do poder, sancionaram dezenas de funcionários, ex-funcionários e entidades da Venezuela por corrupção, narcotráfico e abusos dos direitos humanos.

No entanto, o Tesouro enfatizou que as sanções podem ser suspensas se os afectados “tomarem ações concretas e significativas para restabelecer a ordem democrática, se negarem a participar em abusos contra os direitos humanos, denunciarem abusos cometidos pelo governo e combaterem a corrupção na Venezuela”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »