Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Retrato de Portugal. Menos população, mais idosos e mais imigrantes

(DR)

RTP|Lusa

No Dia Mundial da População, que se assinala esta quinta-feira, a base de dados Pordata divulgou um novo “Retrato de Portugal” para demonstrar a evolução do país nos últimos dez anos. A diminuição da população portuguesa, o envelhecimento, o aumento da escolaridade e a subida do número de imigrantes são alguns dos pontos fortes da análise.

Contrariando o saldo positivo que existiu há uma década, no ano passado o país perdeu 14,4 mil pessoas. O saldo natural (diferença entre número de mortes e de nascimentos) foi o mais baixo desde 2008.

O valor pode ser explicado pelo aumento da esperança de vida dos 78,7 anos para os 80,8, esperança essa que poderá ter contribuído para a evolução do índice de envelhecimento. Existem agora mais 18,3 por cento de idosos em Portugal.

Para cada 100 jovens no país, existem atualmente 157 idosos, quando há uma década o número se fixava nos 115.

Ainda de acordo com a Pordata, o número de imigrantes aumentou para 43 mil, mais 13 mil do que há dez anos. No entanto, o número de cidadãos a sair do país também subiu, fixando-se nos 31 mil em 2018, mais 11 mil do que em 2008.
Menos casamentos católicos

O “Retrato de Portugal” revela ainda que os nascimentos fruto de pais não casados aumentaram em 20 por cento e que 19 por cento destes pais não viviam juntos.

Aumentou também o número de crianças nascidas de pais que já tinham filhos de outros relacionamentos, representando 17 por cento do total de nascidos, contra 12 por cento há dez anos.

“Assistiu-se, entre 2008 e 2018, a um aumento das famílias de uma pessoa (em 37 por cento), de famílias monoparentais (em 47 por cento) e de casais sem filhos (14 por cento)”, revela a base de dados. “Por sua vez, decresceram os casais com filhos (em nove por cento)”.

O número de casamentos diminuiu em nove mil e cerca de dois por cento dos matrimónios em 2018 foram entre pessoas do mesmo sexo, não existindo comparação com a década anterior, altura em que ainda não era permitido.

Houve menos casamentos católicos do que civis, com apenas um em cada três casamentos a realizarem-se pela Igreja. Os casamentos católicos diminuíram em 12 pontos percentuais face a 2008.
Aumento da escolaridade

Já a taxa de risco de pobreza reduziu ligeiramente, fixando-se nos 17 por cento. Das pessoas em risco, 19 por cento tem menos de 18 anos e 18 por cento tem 65 ou mais anos.

Em dez anos, diminuiu ainda em 11 pontos percentuais a população apenas com o ensino básico, e que houve uma descida de 23 por cento na taxa de abandono escolar.

Quanto à Saúde, os números foram a subir. Em 2018 estavam registados na Ordem dos Médicos quase 52 mil profissionais e, na Ordem dos Enfermeiros, 71,6 mil. Face a 2008, o aumento foi de mais de 14 mil médicos e de cerca de 17,5 mil enfermeiros.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »