Portal de Angola
Informação ao minuto

Insuficiência de quadros inviabilizou sucesso da Reforma Educativa

(DR)

A insuficiência de quadros qualificados, aliada às dificuldades de ordem financeira, encontrados durante a fase de implementação da Reforma Educativa, iniciada em 2004, inviabilizou o alcance dos objectivos preconizados pelo Executivo angolano, assentes, entre outros, na melhoria da qualidade do processo de ensino/aprendizagem.

Estas declarações foram proferidas hoje, quinta-feira, à ANGOP, pelo ex-secretário de Estado da Educação, Joaquim Cabral, realçando que esta situação fez com que os resultados alcançados, neste momento, fossem questionados.

Naquela altura, referiu, o Governo não dispunha de recursos financeiros para preparar melhor os professores sobre os novos conteúdos didácticos, bem como para criação de condições que permitissem adequar o processo de ensino/aprendizagem ao novo paradigma do país.

Joaquim Cabral explicou que essa situação criou resistência, por parte dos professores e de outros intervenientes do processo docente-educativo às mudanças que se verificaram, quer do ponto de vista estrutural ou organizacional, quer do ponto de vista dos currículos e demais aspectos.

Por este facto, referiu que apesar dos esforços do Governo, os problemas ainda continuam, exigindo, deste modo, a introdução de correcções dos aspectos fundamentais, entre os quais a revisão dos manuais e dos currículos formativos, para além se prestar uma atenção especial na capacitação dos professores.

Não obstante a essa situação, o ex-coordenador-geral da Avaliação da Reforma Educativa no país é apologista na continuidade do processo, tendo em conta a necessidade de adaptar o sistema nacional de educação ao contexto actual do desenvolvimento científico do país, no quadro consolidação e enquadramento nos objectivos de desenvolvimento sustentável, da Agenda Número 4 da Organização das Nações Unidas (ONU), para o período 2015/2030.

Acrescentou que a reforma do ensino deve continuar a ser uma aposta das autoridades angolanas, porém deve haver maior responsabilidade, sobretudo, no quadro na revisão dos conteúdos, contando com o envolvimento dos parceiros do sector da Educação, entre os quais destaca-se o papel dos pais e encarregados de educação, visando a promoção de um ensino de excelência.

Nesta esteira de pensamento, o então coordenador de Avaliação da Reforma Educativa em Angola, entre 2007 a 2014, realçou a importância do envolvimento de todos os intervenientes do processo e ensino/aprendizagem, para uma melhor organização do sistema educacional do país, desde a base ao superior.

Actualmente director adjunto para área de Projectos de Construção de Escolas do Banco Africano para o Desenvolvimento (BAD), Joaquim Cabral, desempenhou, entre outras, as funções de consultor do Ministro da Educação e chefe do Departamento para o Ensino Geral do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Educação (INIDE).

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »