Portal de Angola
Informação ao minuto

Acusação: Advogado de empresário marfinense critica PGR

Empresário detido em Luanda (DR)

VOA | Coque Mukuta

O empresário da Costa do Marfim, Dabine Dabire, solto recentemente pelo Tribunal Supremo de Angola, diz sentir-se aliviado e que vai manter-se em Angola para mostrar que nunca pretendeu extorquir o Estado.

Dabire esteve detido por um ano e quatro meses na cadeia de Viana, em Luanda, por alegada prática de crime de burla por defraudação, associação criminosa, corrupção activa e tráfico de influência”,

O advogado de defesa, Sérgio Raimundo, aponta o dedo à Procuradoria-Geral da República, que, segundo ele, só persegue os investidores africanos.

No mandado de soltura a que a VOA teve acesso, o Tribunal Supremo mandou arquivar o processo “por não existir juizo de probabilidade de que o mesmo teria cometido os crimes a que vinha acusado”.

Dabine Dabire afirma ter sido detido de forma injusta, mas mesmo assim não vai recorrer aos tribunais internacionais para responsabilizar as autoridades angolanas.

“Agora, para mim, o mais importante é olhar em frente, foi uma prisão injusta, mas não penso recorrer”, sublinha o empresário que disse esperar ter a possibilidade de executar os seus projectos “para demonstrar que em nenhum momento vim para Angola com o objectivo de esturquir o Estado angolano”.

Entretanto, o advogado do empresário, Sérgio Raimundo, afirma que Dabire “só foi preso por ser africano e que existem muitos europeus a prejudicarem o país mas não são responsabilizados”.

“É lamentavel porque o senhor só está a passar por isso por ser africano, olhe que vários europeus vêm aqui, burlam o país e não são responsabilizados”, sustentou Raimundo, dando vários exemplos, como o caso de empresários brasileiros que visitaram o país com Pelé e, depois da burla, “foram os angolanos que passaram a ser procuras pela Interpol” por terem acreditado neles e investido o seu dinheiro.

Quando chegou a Angola em 2017, Dabine Dabire comprometeu-se a investir “milhões” de dólares na construção de bairros-piloto no interior do país.

Em Maio de 2018, o Serviço de Investigação Criminal o deteve por alegadas suspeitas de que os seus projectos não eram fiáveis, acusando-o de burla ao Estado.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »