Portal de Angola
Informação ao minuto

Venezuela: Oposição diz que vai recorrer à assistência militar estrangeira para mudar regime

Juan Guaidó, o novo presidente da Assembleia Nacional da Venezuela que desafia Maduro (DR)

O presidente da Assembleia Nacional venezuelana e opositor do regime, Juan Guaidó, anunciou que aquele órgão vai aprovar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca, um pacto de assistência militar estrangeira, para tentar fazer regressar a democracia ao país.

De acordo com a Lusa, citada pelo Expresso, o presidente da Assembleia Nacional venezuelana e opositor do regime, Juan Guaidó, anunciou hoje que aquele órgão vai aprovar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca, um pacto de assistência militar estrangeira, para tentar fazer regressar a democracia ao país.

“Vamos avançar em todos os terrenos de luta. Temos o legítimo direito de construir as capacidades e alianças internacionais necessárias para proteger e defender o povo e a nossa soberania. Cumpridos os passos requeridos, a Assembleia Nacional da Venezuela aprovará o TIAR”, sigla do mecanismo também conhecido como Tratado do Rio, anunciou na sua conta do Twitter.

Segundo Juan Guaidó, depois de aprovado o TIAR os venezuelanos terão “que construir o apoio dos demais países da região para este mecanismo cuja aprovação final passará pela Organização dos Estados Americanos”.

“O nosso desafio é mobilizar e aumentar a pressão dentro e fora da Venezuela, para conseguir o nosso objectivo”, explica.

Segundo o presidente do parlamento (onde a oposição detém a maioria), “Já não há espaço para a dúvida, ficou muito claro para o mundo que a Venezuela vive uma ditadura”.

“Por isso, assumo a minha responsabilidade nas acções que vamos liderar em todos os mecanismos que estamos a accionar, como parte de uma só estratégia, para conquistar a mudança”, afirmou.

O líder da oposição ao regime do Presidente Nicolas Maduro sublinha que “a transição é irreversível” na Venezuela, mas explica que “não existem soluções mágicas”.

“Tanto o TIAR como os demais mecanismos que usaremos, requererão aumentar a pressão interna e externa. Estarmos unidos é indispensável para conseguir os apoios que necessitemos e garantir o seu êxito”, afirmou.

O Tratado Interamericano de Assistência Recíproca ou Tratado de Rio, é um pacto de defesa mútua interamericano, assinado a 2 de Setembro de 1947 no Rio de Janeiro e que entrou em vigor a 12 de março de 1948.

Fazem parte do TIAR Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Trinidad e Tobago, Bahamas e o Canadá.

Fizeram parte do TIAR mas depois retiraram-se o México, Cuba, Nicarágua, Bolívia e o Equador.

O Governo venezuelano retirou a Venezuela do TIAR, em Junho de 2012, mas em finais de Abril último (2019) o parlamento da Venezuela aprovou iniciar um processo de adesão.

A crise político-económica e social da Venezuela agravou-se em Janeiro último, quando o opositor Juan Guaidó jurou assumir as funções de presidente interino do país, e lutar por uma transição e eleições livres e democráticas no país.

Mais de quatro milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo á crise, nos últimos cinco anos.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »