Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Governo timorense atuará em defesa do interesse nacional em litígios — PM

Taur Matan Ruak (DR)

RTP|Lusa

O primeiro-ministro timorense comprometeu o Governo a atuar sempre em defesa dos interesses nacionais em casos de litígios que envolvem o Estado, independentemente das “diferenças ou convicções políticas”.

“Independentemente das diferenças ou convicções políticas, casos de litígios que envolvem o Estado são casos nacionais e o Governo trabalhará sempre para encontrar a solução, em defesa do interesse nacional”, afirmou Taur Matan Ruak.

“Os processos estão em curso e sempre que falamos destes casos, o que importa é o interesse do Estado, do Governo e o Governo assumirá a sua responsabilidade, independentemente de questões políticas”, reiterou.

Taur Matan Ruak falava no Parlamento Nacional num debate convocado para debater algumas das polémicas que têm marcado recentes debates políticos, incluindo as contas da Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA), e um processo contra o Estado timorense a ser atualmente ouvido num tribunal australiano.

A compra do ferry negociado com um estaleiro em Portugal e que está há anos por concluir devido a problemas de insolvência da empresa, foi igualmente debatido.

Na intervenção, o primeiro-ministro timorense destacou a boa cooperação que tem marcado a sua relação e do Governo central com a RAEOA e o seu presidente, Mari Alkatiri, apesar de pontuais questões técnicas.

“Temos tido uma muito boa cooperação com Mari Alkatiri e sinceramente elogio a cooperação. Não tenho razão de queixas”, afirmou.

“Há questões técnicas que vão surgindo e que estamos a resolver. Mas temos que separar isso das questões políticas”, sublinhou.

Taur Matan Ruak disse que na relação do Governo central com a RAEOA “é preciso cuidado para não misturar as coisas”, sendo que a prioridade é a gestão e administração e ir resolvendo os assuntos que vão surgindo.

E afirmou que tanto Mari Alkatiri, por ser jurista, como ele próprio por ser ex-militar, defendem o cumprimento das leis em vigor e que é o que continuará a acontecer.

A questão das contas da RAEOA e da operação de compra de um ferry para a região — afetado por uma questão de insolvência da empresa em Portugal – tem sido usada pelos partidos do Governo para atacar a gestão da região que é atualmente presidida por Mari Alkatiri, secretário-geral da Fretilin.

Este debate surge numa altura em que está a terminar o mandato de Mari Alkatiri à frente da RAEOA e não há ainda indicações claras sobre se será ou não reconduzido no cargo.

O Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), maior partido da coligação do Governo, tem defendido na sua página no Facebook, que Alkatiri não deve ser reconduzido.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »