InicioAngolaRegiõesEmpresas doam bens diversos para as vítimas da seca no país

Empresas doam bens diversos para as vítimas da seca no país

Angop

Empresas e colégios de Luanda doaram hoje (terça-feira) bens diversos para as vítimas da seca das províncias Cunene, Namibe, Huíla e Cuando Cubango.

Os bens foram doados pela Associação dos Naturais e Amigos da Samba (Ana Samba), Pesaca Angola, Organização Kitoco, Escola Camilo Castelo Branco e os colégios San Carlos e Aurora Internacional.

A doação foi entregue à Rádio Nacional de Angola (RNA) que promove desde o mês de Junho uma campanha solidária de recolha de donativos sob o lema “Unimos o país pelas vítimas da seca”.

Para o presidente da Ana Samba, Paulo Magueijo, é fundamental juntar-se a causa e os munícipes da Samba doaram fuba de milho, arroz, óleo alimentar, embalagens de água, sabão, massa e sal.

Por sua vez, Ulisses de Jesus, director de Marketing da RNA, enalteceu a iniciativa das entidades e apelou aos angolanos e estrangeiros residentes a apoiarem a iniciativa. O término da campanha está previsto para dia 8 deste mês.

A campanha surge em função do “grito de socorro” da população da região sul de Angola.

Das províncias da Região Sul, Cunene é que enfrenta, há oito meses, a mais severa estiagem da sua história, que já deixou mais de oitocentas mil famílias e mais de um milhão de bovinos à beira da morte.

São, no total, 857 mil 443 pessoas a viver os efeitos da estiagem e um milhão e 100 bovinos em risco de morte, por fome ou por sede. A falta de chuva prejudica a agricultura de subsistência.

Desde Outubro de 2018, as sementes não germinam e a colheita está comprometida.

Como resultado da falta de chuva, problema recorrente no Sul de Angola, 171 mil e 488 famílias enfrentam sérias dificuldades naquela província.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.