Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Criminosos ameaçam magistrados e procuradores no Niassa

Magistrados e procuradores do Niassa sentem-se ameaçados (DR)

Um grito de socorro surge na província no norte de Moçambique depois do ataque armado contra o juiz-presidente de um tribunal distrital. Governadora alega que efectivo policial é insuficiente para combater criminalidade.

Magistrados e procuradores do Niassa, norte de Moçambique, avança a DW, estão a pedir protecção policial. Durante um encontro recente com a governadora provincial Francisca Domingos Tomás, os funcionários da Procuradoria do Niassa disseram que são alvos de ameaças de morte por parte de desconhecidos e pediram ao governo provincial que garanta a segurança aos juízes e procuradores.

Os funcionários denunciaram que o fenómeno tem estado a ser frequente nos últimos dias. “Somos ameaçados nas zonas. Não só os magistrados que são ameaçados. Só por saberem que somos funcionários da Procuradoria provincial ou alguém que trabalha com a Justiça, fazem ameaças. Corremos os mesmos riscos até o último da instituição. Queremos saber por parte do governo as medidas de protecção de todo funcionário que trabalha com a Justiça”, diz Tomás Augusto, funcionário daquela instituição penal moçambicana.

A governadora da província solidarizou-se com a situação, mas não prometeu resolver o problema a curto prazo devido à falta de agentes da polícia. Francisca Domingos Tomás alega que o número de efectivos é insuficiente para responder à demanda de criminalidade na província.

“Nós ficamos com muita tristeza. Ouvimos que um nosso magistrado foi atentado pelos criminosos, e isso não tem sido a nossa maneira de ser, mas sim, os criminosos tentam invadir a todo custo aquilo que tem sido o nosso trabalho. Nós dissemos à polícia que trabalhe e encontre aqueles malfeitores que se envolveram no ato, porque aquilo mancha a actuação do nosso governo e a actuação da nossa PRM [Polícia da República de Moçambique]”, diz.

“Queríamos nos solidarizar a todos magistrados e assegurar que o governo provincial vai continuar a trabalhar na protecção de todos os nossos magistrados e nós estaremos atentos a situações idênticas. Continuaremos a trabalhar juntos. Não se sintam isolados. Estamos juntos nesta guerra contra os malfeitores”, acrescentou.

Onda de temor

A onda de medo agravou-se com o ataque contra o juiz-presidente do Tribunal Judicial Distrital de Cuamba ocorrido a 13 de Junho na Vila Autárquica de Cuamba. O juiz Bolis Júlio saiu ileso junto da sua família.

Reagindo a este caso, o comando provincial da PRM no Niassa, através do seu comandante Arnaldo Chefo, garantiu que está a fazer um esforço para esclarecer o crime.

“Vamos na medida do possível proteger as residências. Os colegas sempre estiveram no desempenho das suas funções e temos dito que sempre que alguém se sentir ameaçado é comunicar-nos. Nós sempre temos equipes para ajudar e intervir em qualquer situação”, disse.

“É só fazer a questão de nos dar sinal e nós estaremos presentes para poder ajudar. Para o caso do nosso magistrado, há um trabalho no terreno e oportunamente poderemos esclarecer”, concluiu Arnaldo Chefo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »