Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

INADEC suspende armazéns que comercializam redutores contrafeitos

O preço do gás butano na cidade de Mbanza-Kongo, capital da província do Zaire, reduziu significativamente nos últimos dias, facilitando a aquisição deste produto. (DR)

Dois armazéns que comercializavam redutores contrafeitos para botijas de gás doméstico foram, nesta terça-feira, temporariamente suspensos de toda actividade, em Luanda, pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC).

Segundo a directora-geral adjunta do INADEC, Anta Webba, que falava à imprensa, após o encerramento, informa Angop, os redutores têm “origem e qualidade duvidosa” e características adulteradas “representam um iminente perigo de acidente” por serem diferente do equipamento do género fornecido pela Sonagás.

Esclareceu que a suspensão surge na sequência de se ter verificado que a rotulagem não está em língua portuguesa, para facilitar o consumidor a usar o produto.

Outra razão que motivou a suspensão é o facto de os comerciantes venderem redutores falsos com o selo autocolante com o timbre da Sonangol, semelhante ao redutor comercializado pela Sonagas – empresa autorizada à comercialização de redutores.

Na primeira loja, localizada na Ngola Kiluanje, no Kikolo, foram encontrados no armazém 88 caixas de 50 redutores perfazendo 4 mil e 200 unidades, cujos preços variam entre os 33 mil duzentos kwanzas a 34 mil e duzentos por caixa.

Na segunda loja, localizada na mesma rua, foram encontradas 32 unidades, sem contar com o material existente no armazém, onde os técnicos do INADEC não foram a tempo de fiscalizar.

“Porque temos verificados que no momento do uso do redutor tem causado muitos danos as famílias angolanas. Neste momento o caso verifica-se apenas em Luanda, mas o INADEC vai passar a informação para as 18 províncias do país”, disse.

A visita às instalações acontece em consequência das reclamações de consumidores dos mercados informais.

Em função da rotulagem, verifica-se que os produtos vêem da Malásia e deveriam ter um catálogo com as informações em português para que o consumidor saiba como utilizar.

O INADEC vai começar na próxima semana a efectuar uma campanha de sensibilização para que os consumidores conheçam o referido redutor.

Antes de ter encerrados os armazéns, a comitiva do INADEC passou pela superfície comercial Kero Gika, onde constatou algumas irregularidades, como alguns produtos expirados e mal acondicionados.

Neste estabelecimento, a instituição que vela pelos direitos do consumidor, orientou os responsáveis a trabalhar em função aos requisitos da “chec liste” que foi deixada (para um prazo de 15 dias), um documento para medidas de aconselhamento que o INADEC deixa e uma sanção administrativa.

Entre os produtos, constam bens alimentares (frescos) e enlatados de caracóis expirados.

“Não encerrou o estabelecimento, mas são medidas que podem ser modificadas em função da orientação do INADEC. O produto não estava a ser comercializado, estava em armazém, em local definido, o INADEC orientou que o material não deveria estar naquele local, mas estar destruído”, esclareceu.

A apreensão de 325 unidades de produtos diversos, a emissão de 113 notificações e 55 aconselhamentos constam dos resultados de uma acção de fiscalização do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC), realizado no período de 14 a 21 do corrente mês, em Luanda.

Neste período foram igualmente elaboradas 14 autos de notícias e distribuídos 20 mandados de multas.

A acção registou também na execução de cinco actos de inutilidades de produtos em mau estado de conservação e expirados, como 35 unidades de Salpicão, 43 de paio, cinco de queijo e igual número de Chouriços, além de 19 de Atum que estavam a ser comercializados no mercado de consumo local.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »