Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Autocarros da TURA parados devido à greve

(DR)

Pelo menos, 395 trabalhadores da empresa de Transporte Urbano Rodoviário de Angola (TURA) iniciaram ontem, em Luanda, uma greve geral por tempo indeterminado, exigindo o pagamento de salários, relativos a 11 meses de atraso, constatou o Jornal de Angola.

Além dos salários em atraso, os grevistas também exigem da entidade patronal, o pagamento de subsídio de Natal do ano passado e subsídios de férias, referentes a seis meses (Janeiro a Junho) deste ano, em atraso.

Para a efectivação da greve, disse João Queta, foi remetida, a 30 de Maio deste ano, à direcção-geral da empresa, um caderno reivindicativo, aprovado em assembleia extraordinária de trabalhadores, no qual até a presente data, a entidade patronal não respondeu.

João Queta alertou que caso as reivindicações não forem resolvidas nos prazos previstos, os trabalhadores da TURA vão organizar uma marcha pacífica, para exigirem o pagamento dos seus ordenados.

O director-geral da TURA reconheceu que a instituição que dirige tem nos últimos anos atravessado um momento muito crítico, desde a sua implantação no mercado dos transportes rodoviários de passageiros.

José Junça lamentou o facto do que está a acontecer com os seus funcionários que têm famílias a passar fome, filhos a serem expulsos dos colégios, por não conseguirem pagar as mensalidades, e outros a serem retirados de casas por falta de pagamento das rendas.

O gestor da TURA disse ao Jornal de Angola que a empresa actualmente não tem dinheiro e aguarda por uma solução por parte das entidades de direito, sublinhando que os poucos recursos financeiros que tinham em stock acabaram.

“Portanto, não poderemos fazer milagres”, desabafou o director geral da TURA.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »