Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Integração da história do kuduro nos estudos culturais

Tony Amado e Sebem são duas referências e principais impulsionadores deste género musical (DR)

Jornal de Angola

Os estudiosos da contemporaneidade musical angolana estão em condições de reunir material disperso, incluindo depoimentos de artistas e protagonistas de reconhecido mérito, sobre a história e discografia do género kuduro, visando a sua sistematização e integração no âmbito dos Estudos Culturais Angolanos, de nível universitário.

A proposta de sistematização da história do kuduro, que pressupõe um debate alargado entre investigadores e artistas, pretende analisar e dar conhecer o estado actual deste género musical com o objectivo de encontrar consensos possíveis para a sua estabilidade periodológica, conhecer as diferentes fases do Kuduro no feminino, reflectir sobre a génese das letras das canções, aconselhar a reutilização das conquistas de Angola, ao nível da educação, saúde, construção de infra-estruturas, educação cívica, e preservação dos bens públicos nas composições musicais, numa perspectiva de associar a arte à educação patriótica.

Pelas características estéticas, rítmica peculiar e propósitos textuais, a análise comparativa do kuduro deve ser empreendida no interior deste género musical, pelo que se nos afigura descabido, aproximar o kuduro às correntes musicais mais preocupadas com arranjos e construções elaboradas, do ponto de vista harmónico e melódico.

Será pertinente reforçar o intercâmbio cultural e comercial entre editores, produtores e distribuidores da discografia do kuduro, transformar os depoimentos numa fonte bibliográfica de documentação e registo para a posteridade, criar um site para a divulgação da história e perfil profissional dos cantores e compositores do kuduro, que vão fazendo história.

Pré-história

A pesquisa sobre a origem, formação e contextualização social do kuduro passa pela investigação da sua pré-história, ou seja, o conjunto de eventos anteriores à sua formação, enquanto género musical estruturado.

O período que vai de 1982 a 1983, há um conjunto de ocorrências fundamentais, no domínio da dança, protagonizados pelos dançarinos de break, Paulo Kumba, Elvis, João Dikson, e Pataca no terraço do prédio Hitachi, Bairro Alvalade, Cine Atlântico, campo de jogos dos Leões de Luanda, e nos ginásios das escolas, Mutuya Kevela, Ngola Kanini e Ngola Kiluanji.

Teve igualmente influência na configuração actual do kuduro, enquanto dança, o movimento da cabetula, com os Originais da Cabelula, Beto Kiala e Pedruce, e o movimento da vaiola com Cifoxi e Zé Vaiola.

Estamos numa época em que os concursos de dança nas escolas eram apresentados pelos radialistas Adão Filipe e Octávio Kapapa, da Rádio Nacional de Angola, Balduíno Carlos, Ernesto Bartolomeu e Cláudia Marília, da Televisão Pública de Angola, sendo justo incluir na análise da pré-história, os programas, Explosão e Horizonte, da Televisão Pública de Angola. Nesta época, a dança era mais importante que a música, e as primeiras batidas de Kuduro não tinham letra, fenómeno que surgiu depois com o surgimento de Tony Amado.

Formação

No entanto, julgamos pertinente lembrar que estão na origem e formação do kuduro, os clássicos, Jacobino (1998) e Felicidade (1999), temas musicais gravados pela primeira vez pela Gael Music, dos empresários senegaleses Mamadu e Hamidu, com textos de tipo narrativo, bem ao estilo do Sebem, propostas musicais que fizeram do kuduro, um género musical de fácil identificação rítmica, com alguma consistência estética e forte peculiaridade sonora, aliada à inegável contribuição das coreografias “desconstrucionistas” de Tony Amado, dois nomes que emergem, de forma automática, quando a abordagem é a origem e formação do Kuduro.

Contudo são anteriores ao tema Jacobino as canções: “Dance, dance k’dance Van Dame” (1994) e “Ambakuduro (1994), a última captada no estúdio de João Alexandre, com participação especial de Big Nelo. Seguiram-se os temas Muadiakimi Kuduro (1995), produzido por Beto Max, Mongoloi (1997) e Feijão Duro (1997) de Caló Pascoal, dos Necaf Brothers , um dos primeiros grupos influenciados pela estética sonora e coreográfica proposta por Tony Amado. Estávamos numa época em que eram vulgares os espectáculos de kuduro e rap, promovidos pelo entusiasta Lito Capitalista.

Dança

A dança, um dos suportes paradigmáticos do kuduro, embora estruturalmente vizinha do break-dance norte-americano, foi inspirada numa plasticidade coreográfica reconhecidamente angolana, procurando, de forma natural e progressiva, um acabamento musical em que a melodia e a harmonia são visivelmente relegadas para um plano secundário, sobrevalorizando-se o ritmo e a palavra inusitada.

“Vaca Louca” e “Salsicha”, dançarinos de Tony Amado e depois de Sebem, são dois nomes de referência incontornável, que levaram ao apogeu a plástica mais arrojada da dança acrobática do kuduro.

Linguagem

Acreditamos que o kuduro vai possibilitar a compreensão, pela crítica do pós-kuduro, da dinâmica social de uma época, onde o erro gramatical, sobretudo aquele que, de forma recorrente, recai sobre a flexão e concordância verbais e os neo-logismos lexicais, serão avaliados como elementos de pertinência e avaliação estética, importa reter este aspecto, ou seja, será o compositor a ser julgado perante a “desconstrução” da sua própria circunstância linguística.

Curiosamente, o recurso à norma linguística do português europeu nas composições “kuduristas”, pode retirar a identidade e estética do kuduro.

Angolanização

É assim que se empreende a angolanização da batida tecno e da housemusic, um estilo musical electrónico que surgiu em meados dos anos oitenta nos EUA, mais propriamente na periferia de Detroit, com forte influência alemã, num processo que fundiu o ingrediente da rítmica do Semba, às formas entrecortadas do dizer poético, muito características do hip-hop.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »