Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Marcelo apoia declaração de estado de emergência climática

(Lusa)

RTP|Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou este sábado aos ativistas da Greve Climática Estudantil o apoio a uma declaração de estado de emergência climática, afirmando esperar que seja “aprovada brevemente”.

Marcelo Rebelo de Sousa falava à chegada ao Parque das Nações, onde decorre, até domingo, a Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e o Fórum da Juventude “Lisboa+21”

“Eu já apoiei a ideia de uma declaração de estado de emergência climática. Espero que seja aprovada brevemente”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, ladeado pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, dirigindo-se aos cerca de 30 jovens ativistas que se encontravam à porta do Altice Arena.

Beatriz Farelo, uma das ativistas do movimento, reconheceu a importância de o Presidente da República e o ministro da Educação se terem deslocado junto dos jovens, mas lembrou que “não se podem baixar os braços enquanto os gestos simbólicos não passarem à ação”.

“Naturalmente que teriam de se deslocar. O ministro da Educação até demorou a deslocar-se, só o fez quando o Presidente veio. É um ato simbólico terem vindo ter connosco, atos simbólicos podem ou não ser privilegiados. A verdade é que a declaração da emergência climática não pode depender de atos simbólicos, precisamos de ação e foi isso que viemos exigir”, disse aos jornalistas.

Quando se aperceberam da chegada de Marcelo Rebelo de Sousa, os jovens, que inicialmente pretendiam deitar-se na estrada invocando a imagem das mortes provocadas pelas alterações e os fenómenos climáticos extremos a elas associados, começaram a ler uma declaração em português e depois inglês.

Tendo ouvido parte da comunicação em inglês, o Presidente da República dirigiu-se aos jovens precisamente em inglês, apenas proferindo duas frases, enquanto Tiago Brandão Rodrigues ficou em silêncio.

Na missiva, os ativistas declaram que respondem “com uma atitude de confronto naturalmente dialética, a única que poderá levar a combater a inércia política”.

“Ao diálogo inconsequente, respondemos com ação urgente”, sublinham.

Os ativistas da Greve Climática Estudantil estiverem desde o final do dia de sábado numa vigília em Lisboa à porta do encontro de responsáveis pelas políticas da juventude, a quem querem demonstrar que combater as alterações climáticas é questão de vida ou morte.

Hoje, à entrada onde passaram as cerca de 100 delegações de responsáveis pela área da juventude de todo o mundo, os ativistas, com idades entre os 12 e os 40 anos, empunharam cartazes onde se podia ler “Não há planeta B”, “Climate is changing faster than this”, “Fechar Sines” ou “Não deixes que isto se transforme nisto”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »