Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Oficias das FAA na reforma acusam construtora e BPC de burla

(Foto: Portal de Angola)

Portal de Angola|Osvaldo de Nascimento

Cerca de 250 oficias das Forças Armadas Angolanas (FAA) na reserva, estão agastados com a empresa de construção Associados, S.A e com a Administração do BPC ( na altura presidida por Paixão Júnior) .

Segundo Bartolomeu Lubando (Tenente Coronel), porta-voz do grupo, em Junho de 2014 foi rubricado um acordo entre a construtora Associados S.A, que teria um alegado financiamento da União Europeia (UE), Ministério dos Antigos Combatentes e o banco BPC, para construção de residências que deveriam beneficiar os antigos combatentes e as obras seriam fiscalizadas pelo próprio BPC.

As residências seriam construídas em Viana, Km 38, e chamar-se-ia “Condomínio Residêncial Maquis”.

Para ‘adorno’ do projecto, este, contemplava somente aqueles oficiais que auferiam um salário superior ou igual a 250 mil kwanzas, com objectivo de garantir o processo do pagamento da prestação nos valores que rondam entre os 125, 130 a 175 mil kwanzas respectivamente, de acordo o ordenado que cada um aufere.

Na ânsia de viver condignamente e atraídos pela beleza do projecto, que lhes foi apresentado em vídeos distribuídos por “PENDRIVES”, que atestava a qualidade dos imóveis de tipologia alemã, feitas de betão e não de blocos, acrescia a apetecível promessa que, no acto de entrega das chaves, encontrariam viaturas de marca Suzuki, modelo Vitara, em função do “valor exorbitante que são descontados”.

Entretanto, continua, volvidos quase seis anos ( 2014), até a presente data, os referidos oficiais são descontados (cada um conforme o crédito e tipologia do imóvel) e não recebem as suas residências conforme a promessa da construtora representada por Elías Tchipilica.

“Estes senhores estão a brincar com as pessoas, no princípio prometeram casam insonorizadas, de tipologia alemã, porque estaríamos juntos ao novo aeroporto, enganaram-nos com maquetes e tudo mais, depois de pedirmos os créditos ao BPC, que seria também os fiscalizador da obra, e depositados os valores na respectiva conta da dita construtora passaram a nos dar baile”, explicou.

“As casas que seriam de tipologia alemã, transformaram-se em casebres de tipologia chinesa, com avultadas somas que somos descontados. Colocaram chapas, estucaram e simplesmente querem que aceitamos e vivemos conforme eles querem”, reclamou.

Júlio Maurício, outro queixoso, diz desconhecer o destino que o BPC dá ao seu dinheiro, porque o projecto “Maquis” “está abandonado.

O material de construção está deteriorado e incompleto, e não lhes é informado absolutamente nada, porque o representante da empresa (Elías Tchipilica) está em parte incerta, o Paixão Júnior que assinou a documentação não se responsabiliza e, o BPC diz que nada tem a ver com o caso”, lamentou.

Segundo o porta-voz, o referido projecto é um “monstro adormecido”, com casas inacabadas, tecnicamente mal concebidas e, pelos cálculos não reflectem o seu custo estimado em cerca de 150 mil dólares que seriam pagos num horizonte de dois anos a contar da data da celebração dos contratos.

Desespero total

“A maior parte de nós como é sabido, é da terceira idade, temos filhos, netos, bisnetos. Com as debilidade físicas, muitos dos que aderiram este projecto já começam a partir… o nosso dinheiro que já é pouco, é roubado sob o olhar silencioso daqueles que nós um dia ajudamos a colocar no poder, pois somos antigos combatentes, guerrilheiros e veteranos da pátria, que demos o nosso sangue, corpo e alma na luta contra o colonialismo português”, lamentou o antigo combatente, reforçando que não estão a pedir um favor, mas um dever em função do contributo prestado a Nação.

Os antigos combatentes envolvidos no esquema fraudulento exigem a paralisação imediata dos descontos injustificados dos seus ordenados, até a resolução do problema, exigindo naturalmente um esclarecimento por parte do antigo presidente do conselho de administração do Banco de Poupança e Crédito (BPC), e a possível indemnização pelos danos causados durante o período em que foram injustamente descontados.

Paixão Júnior ‘limpa ás mãos’ e ‘atira o pano’ a actual gestão do BPC

Contacto via telefónica pela nossa equipa de reportagem, o antigo homem forte do BPC disse recordar do projecto, que era para ajuda dos antigos combatentes, mas diz que não tirou proveito de nada, pelo que os visados devem contactar a construtora em causa ou a actual administração do BPC, porque há documentos assinados e aí pode-se aferir a legalidade dos contratos.

O Portal de Angola procurou ouvir a versão da construtora no escritório que a empresa detém no Km 38. no local encontramos apenas os guardas que nos informaram que o responsável encontrava-se fora de Luanda. Tentamos o contacto via telefone, mas sem sucesso.

Notas

O BPC concedeu a cada um dos Antigos Combatentes um empréstimo de 10.389.579.20 (Dez Milhões, Trezentos e Oitenta e Nove Mil e Quinhentos e Setenta e Nove Kwanzas e Vinte Cêntimo), valor este que seria utilizado exclusivamente para aquisição de uma residência no Condomínio Vila Residencial Maquis, sito no Kilómetro 38 estrada de Catete;

(Foto: Portal de Angola)

O BPC contratou a Empresa Construções Associados (SA), para fazer o condomínio; e o dinheiro do empréstimo concedido pelo BPC a cada um dos clientes, no caso Antigos Combatentes, foi de imediato, transferido na totalidade das suas contas pessoais para conta nº 1800 6173.012 pertencente à construtora, na mesma hora que se efectuou o deposito (sem qualquer comprovativo de pagamento dos valores); Acerca do valor do empréstimo aplicou-se uma taxa de 12% ao ano, com prazo de pagamento de 15 (Quinze) anos; As obras começaram no mês de Junho de 2014, e o prazo para entrega das casas era de um ano, a contar da data do lançamento da primeira pedra.

Associação Angolana de Ajuda ao Consumidor (AAAC) promete levar BPC e a empresa construtora ao Tribunal

De acordo com o gabinete jurídico da AAAC que acompanha o caso milimetricamente, “estamos diante de uma situação de burla por defraudação e de responsabilidade civil (por danos morais e patrimoniais)”, disse o presidente da AAAC Sains Maximino Bongue.

“Primeiro por estarem preenchidos os requisitos do crime de burla e segundo pelos danos que foram causados na vida dos antigos combatentes, violando a sua expectativa jurídica, isto sem falar do dano emergente e do lucro cessante”, sublinha.

“Acções enganosas como estas devem ser banidas da nossa sociedade, pelo que já remetemos o competente processo no Ministério Público e no Tribunal, assim como faremos chegar à sua excelência o Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, ao Conselho de Ministro, este último, por ser um órgão de grande relevância social que cuida de problemas específicos da nossa sociedade e ao Presidente da República, na qualidade de Comandante em Chefe das Forças Armadas Angolanas.

(DR)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »