Portal de Angola
Informação ao minuto

Bolsonaro aponta à reeleição e dá “nota 10” a Sérgio Moro

Bolsonaro na Marcha para Jesus, maior evento evangélico do Brasil (NACHO DOCE / REUTERS)

Expresso | JOÃO DIOGO CORREIA

“Meu muito obrigado a quem votou e a quem não votou em mim também. Lá na frente todos votarão, tenho certeza disso”, afirmou o Presidente brasileiro, no cargo há seis meses, antes de participar na Marcha para Jesus

Pela primeira vez desde que foi criada, em 1993, a Marcha para Jesus, o maior evento evangélico do Brasil, contou com a participação de um Presidente da República. Jair Bolsonaro ali estava, na zona norte de São Paulo, para mais uma vez lembrar o slogan de campanha, “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. No feriado do Corpo de Deus, 20 de junho, Bolsonaro disse que “foi Ele quem nos deu a Presidência” e agradeceu a oportunidade “de estar vivo”, numa referência ao atentado de que foi vítima ainda durante a corrida ao Palácio do Planalto. Em frente a uma multidão de fiéis, o atual Presidente aproveitou para reforçar o laço com os evangélicos, que o apoiaram na campanha e que, nas palavras do próprio, “foram decisivos para mudar o país.”

A novidade tinha chegado, porém, horas antes, em Eldorado, também em São Paulo, a cidade onde foi criado e passou boa parte da infância e adolescência. Num vídeo publicado no Twitter, Bolsonaro documentou a chegada e a receção dos conterrâneos. No discurso que se seguiu, abriu a porta a uma eventual recandidatura à cadeira da presidência. “Meu muito obrigado a quem votou e a quem não votou em mim também. Lá na frente todos votarão, tenho certeza disso.”

As palavras vão contra o que o próprio já tinha afirmado em mais do que uma ocasião. Quando ainda disputava a segunda volta das eleições presidenciais, o então candidato mostrou-se favorável ao fim da figura da reeleição: “No caso, começa comigo, se eu for eleito”. Quando foi, Bolsonaro recuou na intenção, dizendo que não podia afirmar “eu não vou concorrer à reeleição”, mas que abria a porta a essa hipótese “se a gente conseguir fazer um grande acordo para aprovar a reforma política” (que acabaria com qualquer reeleição presidencial). Com as declarações desta tarde, renascem as dúvidas sobre aquilo que, para o capitão na reserva, é “um dos grandes problemas do Brasil na política”.

Já este ano, numa entrevista à revista Veja, Bolsonaro falou sobre as dificuldades que tem sentido. “Já passei noites sem dormir, já chorei para caramba também. Angústia, né?”

VAZA JATO. “QUANDO VOCÊ DESCONFIA DO SEU MARIDO, O QUE FAZ COM ELE?”
O Brasil vive há dez dias em suspenso, desde o momento em que foram lançadas as primeiras notícias, pelo site The Intercept Brasil, dando conta da interferência do juiz Sérgio Moro na acusação da operação Lava Jato. Envolvendo, entre outros, o ex-presidente Lula da Silva, o processo viria a ser julgado pelo próprio juiz, mais tarde escolhido para o cargo de Ministro da Justiça, que vê agora serem tornadas públicas as mensagens que trocou com os procuradores da chamada ‘força-tarefa’ do mega processo de combate à corrupção. As conversas, as sugestões dadas pelo juiz e a alegada ajuda que foi prestando à acusação podem vir a custar-lhe, entre outras coisas, o cargo.

Esta quarta-feira, numa audiência de nove horas no Senado, Moro admitiu pela primeira vez a possibilidade de abandonar o lugar de ministro, caso se confirmem as irregularidades da sua conduta. O juiz, bem como os seus defensores, têm usado como defesa a suposta “ilegalidade” na obtenção das mensagens privadas, além do “sensacionalismo” da investigação. Mas no Senado Moro chegou a argumentar, também, com uma alegada manipulação das mensagens.

Jair Bolsonaro reagiu à audiência do seu ministro com “nota dez”. “Subiu no meu conceito. Apesar que ele não poderia crescer mais do que já cresceu”, disse o presidente brasileiro, numa das visitas do dia. O político foi mais longe: “Quando você desconfia do seu marido, o que faz com ele? Eu não estou desconfiado de ninguém.”

O Intercept tem prometido (e cumprido) novas revelações ao longo das semanas. A partir de um arquivo de milhares de mensagens trocadas na rede Telegram — e cuja fonte o site não divulga —, que inclui mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos, documentos judiciais e outros itens, as “reportagens revelam comportamentos antiéticos e transgressões que o Brasil e o mundo têm o direito de conhecer.”

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »