Portal de Angola
Informação ao minuto

Tribunal julga ex-conselheiro do comandante geral da PN

O julgamento do ex-conselheiro do comandante geral da Polícia Nacional (PN), Francisco Massota, acusado de crimes de abuso no exercício do cargo, conduta indecorosa e burla por defraudação, iniciou na terça-feira (18) (DR)

O julgamento do ex-conselheiro do comandante geral da Polícia Nacional (PN), Francisco Massota, acusado de crimes de abuso no exercício do cargo, conduta indecorosa e burla por defraudação, iniciou nesta terça-feira (18), na sala do Tribunal Simulado do Instituto de Técnicas Policiais Osvaldo Serra Van-Dúnem.

A sessão, orientada pelo juiz Domingos Salvador, de acordo com Angop, começou com a leitura da acusação, feita pelo Ministério Público, e do despacho de pronúncia, proferido pelo Magistrado do Supremo Tribunal Militar.

Segundo o Despacho de Pronuncia, a conduta do réu é agravada pelo mau comportamento militar.

No mesmo processo também estão acusados o intendente Veloso Francisco, a subinspectora Elsa Maria Manuel Neho, o subinspector Belchior Kussendala, bem como as agentes Elizandra Alfredo Tomás e Márcia Alfredo Crispim.

Sob os referidos réus pesam os crimes de conduta indecorosa, má conduta militar e de burla por defraudação.

De acordo com o juiz Domingos Salvador, em 2014, por intermédio do comissário Francisco Massota, as agentes Elizandra Alfredo Tomás e Márcia Alfredo Crispim foram enquadradas na Polícia Nacional, dando cada uma o valor de 200 mil kwanzas, a título de agradecimento, sem que o solicitasse.

Fruto da amizade granjeada, em Maio de 2016, disse, o réu Francisco Massota terá chamado ao seu gabinete a agente Elizandra Alfredo Tomás e Márcia Alfredo Crispim para recrutarem 100 pessoas para ingresso na Polícia Nacional, mediante o pagamento de 300 mil kwanzas por pessoa.

Na sequência, a subinspectora Elsa Maria Manuel Neho contactou a agente Elizandra Tomás para servir de intermediária, tendo recebido como recompensa o valor de 25 mil kwanzas por cada pessoa.

Em data não especificada, o comissário Francisco Massota, na altura director da Escola Nacional Polícia de Protecção e intervenção, prometeu incorpora-los na Polícia Nacional, o que não foi concretizado.

Incapaz de cumprir o prometido, ainda nos termos do Despacho de Pronuncia, atirou a responsabilidade à agente Elizandra Tomás, que sofria constantes ameaças, o que fez com que vendesse parte dos seus haveres, para ressarcir alguns “recrutados”, uma vez que Francisco Massota devolveu apenas 6.400 mil kwanzas.

Por sua vez, o advogado de defesa do réu Francisco Massota, Cândido Brito disse na leitura da contestação que o seu cliente nunca procedeu ao enquadramento na Polícia Nacional das agentes Elizandra Tomás e Márcia Alfredo Crispim, tendo elas participado num concurso público de 2013 e apuradas pela Escola Nacional da Polícia.

O advogado acrescentou que o seu cliente nunca chamou ao gabinete a referida agente, pois a ré é que o abordou no seu aposento de trabalho.

“O meu cliente em momento algum pediu o recrutamento de 100 pessoas, nem recebeu o valor em causa”, realçando que tudo foi feito pela agente Elizandra Tomás, utilizando o nome do seu superior hierárquico.

Já o advogado de ré Elizandra Tomás, Miguel Francisco, referiu, na sua contestação, que a sua cliente não concorda com os crimes de que é acusada, pois apenas cumpriu ordem do seu superior hierárquico e não recebeu quantia dos lesados.

Não tendo a ré idealizado nenhuma concertação com o réu Francisco Massota para aquele fim e não tendo beneficiado de valores, pois entregou toda quantia ao seu superior hierárquico.

Neste quadro, o advogado de defesa de Elizandra Tomás pediu ao juiz a absolvição dos crimes dos quais está a ser acusada e disse ter, em pen drive, um documento com a gravação da conversa que a sua cliente manteve com réu Francisco Massota.

Quanto à prova da pen drive com a gravação da conversa, o juiz Domingos Salvador indeferiu, reservando ao direito de ouvir o seu conteúdo em audiência quando necessário.

A próxima sessão de audição dos réus está marcada para o dia 24 do corrente mês, dia em que vai ser ouvido o ex-conselheiro do comandante geral da Polícia Nacional, Francisco Massota.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »