Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Caso CNC: PCA da TCUL é um dos fugitivos à justiça

Abel António Cosme (DR)

O presidente do conselho de administração da empresa de Transporte Colectivo Urbano de Luanda (TCUL), Abel António Cosme, e o antigo director-geral do Conselho Nacional de Carregadores (CNC), Agostinho Itembo, são as duas pessoas foragidas da justiça angolana no âmbito do julgamento do “caso CNC” em que a figura e réu principal é o ex-ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás.

O nome de Abel António Cosme, até então PCA da TCUL, vem proferido no despacho de pronúncia e na acusação do Ministério Público (MP) e já foi referenciado pelo tribunal durante as sessões de discussão e julgamento que o NJOnline tem estado a acompanhar ao pormenor.

Segundo a acusação, em Agosto de 2009, um mês antes da constituição da empresa AfriTáxis, o Conselho Nacional de Carregadores e a Unicargas, representados pelos fugitivos Agostinho Itembo e Abel Cosme, transferiram de forma ilícita para esta empresa mais de três milhões de dólares e cerca de 247 milhões de kwanzas, com a pretensão de serem sócios deste empresa, embora isso nunca tenha acontecido.

Diz o Ministério Público que, com esses valores, a empresa AfriTáxis adquiriu cerca de 300 viaturas, tendo, no entanto, o réu Augusto Tomás orientado no sentido de a gestão de 150 viaturas ficarem a cargo do CNC e da Unicargas para serem utilizados nas províncias de Benguela, Huíla e Cabinda.

Por isso a Rend-Angola, da qual eram sócios Abel António Cosme, então PCA da Unicargas, e Agostinho Itembo, antigo director-geral do Conselho Nacional de Carregadores, seriam as representantes da AfriTáxis nas províncias de Benguela, Huíla e Cabinda, onde fizeram a entrega de 50 viaturas cada.

Após a entrega dessas viaturas à Rend-Angola, refere acusação, esta não deu qualquer contra-partida ao Estado, que acabou por ficar prejudicado.

No entanto, o Ministério Público alega que o investimento do CNC na empresa AfriTáxis, foi um artifício fraudulento utilizado pelos réus Augusto da Silva Tomás, figura central do julgamento, Isabel Bragança, Rui Manuel Moita, Manuel António Paulo e Eurico Alexandre da Silva, bem como os fugitivos Abel António Cosme e Agostinho Itembo, para desviarem dinheiro do Estado e financiassem os seus próprios negócios ou de terceiros.

“Tal como foi o artifício fraudulento de outras participações sociais pelo CNC, os réus e os dois fugitivos causaram ao Estado Angolano um prejuízo de mais de 27 milhões de dólares e 255 milhões de kwanzas”, diz a pronúncia.

Importa referir que Abel António Cosme lidera o conselho de administração da TCUL desde Novembro de 2017, tendo substituído no cargo Freitas Neto e a sua ausência foi tornada pública em Janeiro último, quando o gabinete dos Recursos Humanos do Ministério dos Transportes solicitou, através de uma publicação no Jornal de Angola, a sua comparência no prazo de oito dias.

Entretanto, o NJOnline sabe de fonte segura que a TCUL está a ser dirigida por Pedro Pereira, administrador para a área financeira deste Outubro de 2018, data em que ficou ausente da empresa o prófugo Abel António Cosme.

Em declarações ao NJOnline, em Maio último, Octávio Francisco, coordenador da comissão sindical da empresa, disse que não há qualquer informação sobre o paradeiro do PCA na TCUL, sabendo-se que este nunca chegou a ser exonerado.

“Aqui ninguém sabe do seu paradeiro, sabemos apenas que o PCA está ausente da empresa desde o ano passado. E tomámos conhecimento, na altura, através das redes sociais”, referiu.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »