Portal de Angola
Informação ao minuto

Satélite “Cansat” vai servir para estudos

ANGOTIC LANÇA PEQUENOS SATÉLITES PRODUZIDOS EM ANGOLA (FOTO: CEDIDA)

O micro satélite designado “Cansat”, que Angola vai lançar nesta quarta-feira, na localidade Cabo Ledo, em Luanda, servirá para fins educacionais, informou hoje o director do gabinete de comunicação e imprensa do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação (MTTI), António de Sousa.

Numa conferência de imprensa, a propósito do Fórum e Exposição Internacional de Tecnologias de Informação “Angotic”, que arranca terça-feira, escreve Angop, o representante do MTTI explicou que o “Cansat” permitirá aos formandos ter uma primeira experiência científica em projectos espaciais, conhecendo as fases desde o desenho, missão, construção, testes e lançamento de um satélite.

António de Sousa, que também é porta-voz do Angotic, disse que o nano satélite ou satélite em miniatura atingirá uma altitude de cinco quilómetros, a partir da zona de lançamento, podendo enviar dados telemétricos para a estação terrena criada no local (Cabo Ledo, Luanda).

O pequeno satélite, cujo valor da construção não foi revelado, segundo o responsável, só estará no ar no dia do seu lançamento em Cabo Ledo, depois será recolhido.

Os primeiros testes do “Cansat”, para melhor preparação do lançamento, foram feitos com sucesso no dia 11 deste mês.

As avaliações ocorreram em Cabo Lebo e envolveram, dentre outras entidades, a Força Aérea Nacional (FAN), que disponibilizou um helicóptero para a operação.

Os resultados dos testes realizados no local do lançamento mostraram que o pequeno satélite deve ser lançado a uma altitude máxima de 400 metros, com uma velocidade do vento não superior a 14 quilómetros por hora, a fim de estimar uma posição precisa de recolha, mediante as coordenadas do sistema de localização electrónica GPS, para uma melhor comunicação com a estação terrena.

A respeito do Angotic, que se inicia terça-feira (18), o porta-voz disse que o fórum vai proporcionar a assinatura de um acordo entre o MTTI e a Smart Africa (iniciativa africana ligada às tecnologias no continente) para a partilha de conhecimento, intercâmbio e transferência de know-how.

Através da Smart Africa, Angola pode criar sinergias com vários operadores das TIC’s, que poderão também participar do Angotic – o maior evento do ramo no país.

O Angotic conta com a participação, dentre outras instituições nacionais e internacionais, a “Air Bus”, de França, e a gigante de satélite americana, Intelsat, que virá com fundos próprios.

O Fórum conta com 54 sessões entre plenárias e reuniões paralelas, que vão abordar assuntos como “ Inclusão digital, Infoinclusão, Cidades inteligentes, Agricultura inteligente.

Haverá também uma exposição de empresas do sector que contará com pelo menos 150 Start up, uma sala especial sobre “candengues cientistas”, retratando a construção e de desenhos de satélites.

Start up no domínio das tecnologias

Existe no país cerca de 500 a 600 pequenos projectos empresárias do domínio tecnológico a funcionar.

Actualmente, operam em Luanda duas iniciativas empresariais do domínio tecnológico que começaram como Start up. Trata-se das empresas Tupuca e da Cubinga. A primeira actua no domínio dos serviços de entrega de refeições e outros bens, e a segunda nos serviços de transportes (táxi personalizado).

O Cubinga é um daqueles projectos saídos de uma das edições do Angotic, que conta com a participação de pelo menos seis a oito mil participantes.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »