Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Parlamento albanês inicia procedimento para afastar o Presidente

(EPA/Malton Dibra)

O parlamento albanês iniciou hoje um longo procedimento para afastar das suas funções o Presidente Ilir Meta, por ter alegadamente violado a Constituição com as tentativas de cancelar as próximas eleições municipais.

Taulant Bala, do grupo parlamentar do Partido Socialista (PSSh, no poder) disse que 55 deputados fizeram o pedido para um voto de não-confiança a Meta.

De acordo com a Lusa, Bala disse que o pedido vai ser analisado por uma comissão parlamentar especial antes do voto dos 140 lugares do hemiciclo sobre a eventual saída do Meta. O PSSh necessita de pelo menos 94 votos, que não assegura.

Mesmo que o partido consiga aprovar a moção de censura, a decisão final cabe ao Tribunal constitucional, que permanece disfuncional há cerca de um ano, após a maioria dos juízes terem sido despedidos.

No início de junho, Meta anunciou o cancelamento das eleições locais por recear um escrutínio “não democrático” sem a participação dos partidos da oposição de centro-direita, e que agravaria o conflito social.

Os críticos de Meta consideram que o Presidente violou a Constituição ao ordenar a anulação das eleições.

O primeiro-ministro Edi Rama insiste na realização das eleições municipais na data prevista, para impedir uma “chantagem política” que implicaria a convocação de legislativas antecipadas.

A oposição de centro-direita tem organizado protestos desde meados de fevereiro, acusando o Governo de ligação ao crime organizado e exigindo eleições gerais. O PSSh tem negado todas as alegações.

A anulação das eleições municipais ocorreu num período particularmente delicado, e quando a Albânia aguardava uma resposta do Conselho Europeu sobre o seu pedido para o início de negociações de adesão à União Europeia.

As esperanças de Tirana saíram goradas, quando o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, admitiu na quarta-feira que não vão ser tomadas no imediato decisões concretas sobre os processos de adesão da Albânia e da Macedónia do Norte devido à oposição de diversos Estados-membros, que não designou.

Rama e o seu PSSh consideram que os protestos de rua e a decisão do Presidente — casado com a atual líder de um dos partidos da oposição — é um estratagema que tem por objetivo retirar o poder ao primeiro-ministro e impedir a reforma judicial, um dos principais requisitos para que a Albânia possa abrir negociações com Bruxelas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »