Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Huíla: Faculdade de Medicina ganha nova estrutura

Huila: Universidade Mandume Ya Ndemofayo (DR)

A nova infra-estrutura da Faculdade de Medicina da Universidade Mandume Ya Ndemufayo (UMN), localizada na Centralidade da Quilemba, no Lubango, acolhe desde sexta-feira os serviços administrativos, devendo albergar os estudantes no próximo ano académico.

Após obras de conclusão que duraram três anos, escreve Angop, o acto de inauguração da estrutura está previsto para o próximo dia 24. Até hoje, a faculdade de medicina funcionou em estruturas emprestadas pela congénere de direito, nas instalações da UMN.

A infra-estrutura contempla área administrativa, refeitório, ginásio, campos para a prática de desporto, biblioteca, um edifício académico com 48 compartimentos, entre salas de aula, laboratórios e outros espaços adicionais concebidos para apoio administrativo.

A obra iniciada em 2013 e concluída em 2016, não estava funcional devido a falta de mobiliário, segundo a decana da faculdade, Ana Gerardo.

A responsável que falava durante uma visita efectuada ao local, que prevê ser inaugurado dia 24 do corrente, disse que com a estrutura vão concentrar todo o ensino do ponto de vista de competências infra-estruturais, albergando todas as áreas funcionais da faculdade no local.

“Estamos a ter acesso as instalações com meios de apoio e isso vai ajudar muito e descomprimir as limitações que tínhamos de funcionamento do ponto de vista de trabalho”, declarou.

Salientou que o ensino é um processo e não podem deixar de ter a preocupação permanente de formar com qualidade, o que passa por uma série de requisitos necessários, como infra-estruturas, docentes, quer na quantidade e qualificação dos mesmos.

Com o acesso as novas instalações, referiu que vão de maneira progressiva adicionando melhores condições e procurar aumentar os números actuais para permitir com as condições adequadas, assim como obter maior quantidade de estudantes a acederem a instituição, sem perder a qualidade.

Actualmente disse que a faculdade funciona em condições impróprias, instalações que são insuficientes do ponto de vista de capacidade necessária para os desafios, volume de trabalho e quantidade de estudantes, principalmente funciona em infra-estruturas dispersas, sendo que iniciaram as actividades lectivas no edifício UMN com seis salas em 2009.

Detalhou que o projecto foi evoluindo pois, deixou de ser suficiente,tendo em 2010 recebido salas cedidas no Hospital Central do Lubango para o asseguramento parcial de aulas teóricas, mas com o aumento de estudantes passaram a ter alguns em ciclo clínico, o que obrigou a busca de soluções, fazendo com que ficassem com umas instalações de uma escola primária no bairro Benfica.

“Entramos numa situação de ruptura em relação as condições instaladas e as necessidades de funcionamento que sempre desejou ser o mais alinhado para uma perspectiva de trabalho. É um processo e as adaptações que se impuseram em cada momento foram feitas”, acrescentou.

A Faculdade de Medicina matriculou no ano em curso, 561 estudantes, actualmente conta com 558, do primeiro ao sexto ano, assegurados por 43 docentes de nacionalidades cubana e angolana.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »