Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Reabertas cooperativas diamantíferas na província do Bié

SECTOR DIAMANTÍFERO REGISTA AUMENTO DE RECEITAS (FOTO: ANGOP)

Seis cooperativas diamantíferas foram reabertas esta semana, nos municípios da Nharêa, Andulo e Chitembo, província do Bié, após a sua total legalização pelos respectivos associados.

As referidas cooperativas haviam sido encerradas durante cerca de sete meses pela Polícia Nacional (PN), no âmbito da Operação Transparência em curso no país.

A informação foi avançada hoje, sexta-feira à Angop, no Cuito, pelo chefe do Posto Comando Provincial da Polícia Nacional no Bié, superintendente-chefe Alfredo Felizardo Cabral, frisando que oito outras ainda continuam encerradas por falta de documentos.

Alfredo Felizardo Cabral solicitou das empresas, maior cuidado na preservação do ambiente, sobretudo nas zonas de garimpo, consubstanciado na plantação de árvores e outros programas que visam evitar o abate indiscriminado de árvores.

De acordo com o oficial, a Polícia Nacional no Bié, através dos seus órgãos de apoios, está empenhada na salvaguarda das zonas de garimpo e de loutros locais fronteiriços com vista a manter a inviolabilidade do território.

Entretanto, em Maio último os Serviços de Investigação Criminal (SIC) deteve no município da Nharêa, um pastor da Igreja Evangélica Sinodal de Angola (IESA) com 543 pedras de diamantes e 400 dólares norte-americanos.

Estimativas das autoridades policiais apontam que em cinco meses, mais de 455 mil estrangeiros deixaram Angola após o lançamento da “Operação Transparência” contra a exploração ilegal de diamantes .

Inicialmente, a mesma operação arrancou nas províncias das Lundas Norte e Sul, Cabinda, Malanje, Moxico, Bié, Uíge e Zaire . Progressivamente foi estendida a todo o país incluindo na costa marítima, para prevenir actos de pesca ilegal e de tráfico de pessoas e bens, segundo António Bernardo, porta-voz da operação.

A”Operação Transparência” foi lançada em Setembro de 2018 para combater a imigração irregular e a exploração e tráfico ilícito de diamantes.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »