Portal de Angola
Informação ao minuto

Crise da Renamo é uma oportunidade para reescrever o Acordo Geral de Paz, dizem políticos

(DR)

VOA

Alguns políticos moçambicanos defendem que se deve aproveitar a situação que se vive na base central da Renamo, na Gorongosa, para reescrever o Acordo Geral de Paz, porque desarmar os guerrilheiros a qualquer preço pode colocar em causa os esforços para a pacificação e democratização do país.

Guerrilheiros da Renamo na serra da Gorongosa, ameaçaram, esta semana, não entregar as armas, no contexto do desarmamento acordado com o governo, enquanto o processo for dirigido por Ossufo Momade, Presidente da Renamo.

Esta contestação, na opinião do político Eduardo Sebastião, do Partido para o Desenvolvimento de Moçambique, resulta do facto de Ossufo Momade “não ser uma figura de confiança dos generais que sempre estiveram com o falecido líder da Renamo, Afonso Dhlakama, na serra da Gorongosa, e que são aqueles que podem colocar em causa a paz em Moçambique”.

Sebastião destacou que “Afonso Dhlakama disse a esses guerrilheiros que seriam desmobilizados e integrados na sociedade, mas, neste momento, esses homens questionam a forma como esse processo está a ser conduzido por Ossufo Momade, e alguns até o acusam de ter sido “comprado” pela Frelimo, para prejudicá-los”.

“A situação na Renamo é séria”

“São homens que, na sua óptica, lutaram vários anos pela democracia, mas que não têm nenhum benefício e muitos deles já estão na idade da reforma. Eu penso que esta questão deve ser tratada com muito cuidado”, afirmou ainda aquele político, para quem, “a situação na Renamo é séria”.

Um tratamento ponderado e cuidadoso desta questão do desarmento é defendido também pelo político Raúl Domingos, antigo quadro sénior da Renamo, sublinhando que isso é que vai garantir uma paz efectiva e duradoira no país.

“Não vamos correr para depois termos um processo mal-acabado”, defendeu Raúl Domingos, afirmando, no entanto, ser necessário compreender a origem do conflito dentro da Renamo, “porque Ossufo Momade foi eleito em congresso, pelo que ele é o legítimo presidente da Renamo”.

Para Raúl Domingos, uma das coisas de que Ossufo Momade é acusado, é de ter preso e morto alguns oficiais superiores da Renamo, sublinhando que, a ser verdade, esse é problema não apenas da Renamo mas também da sociedade em geral.

Por seu turno, Yaqub Sibindy, do Partido Independente de Moçambique-PIMO, afirma que os moçambicanos devem aproveitar os acontecimentos na Gorongosa para uma reflexão profunda sobre o processo de paz.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »