Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Congresso do MPLA deve reforçar coesão partidária

VICE-PRESIDENTE DO MPLA, LUÍSA DAMIÃO (ARQUIVO) (FOTO: GASPAR DOS SANTOS)

O VII congresso extraordinário do MPLA, a realizar-se no sábado, visa primar pela coesão e unidade do partido e reafirmar a liderança do presidente do Partido, João Lourenço, afirmou a vice-presidente Luísa Damião.

Em entrevista ao Jornal de Angola publicada na edição desta sexta-feira e citada pela Angop, Luísa Damião fala da importância do conclave, que visa igualmente traçar estratégias para desafios como as eleições autárquicas e alargar o Comité Central.

Esse órgão de direcção do MPLA passará de 366 para 497 membros. Sessenta e um por cento dos novos 134 membros são jovens, o que visa assegurar a transição geracional.

Adianta que 42,53 por cento dos novos membros são mulheres, no quadro dos esforços para alcançar a paridade no género, tendo em conta valores como a meritocracia e os compromissos regionais e internacionais assumidos pelo país.

Desmente a ideia de muitos desses jovens serem “paraquedistas” e entrarem para a direcção do partido “com os olhos em cargos públicos”, referindo que 134 foram seleccionados pelos comités provinciais, 10 pela JMPLA, igual número pela organização de mulheres, OMA, e outros pela direcção central do partido.

Adianta serem jovens doutores, mestres, licenciados, da sociedade civil, de vários estratos sociais e com formações em diversas áreas, com soluções e ideias inovadoras, que serão uma mais-valia para os desafios futuros, aliando a experiência dos mais velhos à frescura juvenil.

Informou que os ajustamentos pontuais aos estatutos incidirão sobre alguns artigos como os ligados a composição dos órgãos colegiais e intermédios, a fixação do número de membros e o mandato dos órgãos.

Quanto aos jornalistas indicados para o Comité Central, disse que caberá a esses profissionais, dentro dos princípios da imparcialidade e da objectividade, decidir se optam pelo exercício do jornalismo quando abraçam a política.

A vice-presidente do MPLA augura que o partido vai sair do congresso mais fortalecido, com ideias inovadoras, com mais soluções para alguns problemas sociais, uma maior inserção na sociedade, e uma maior proximidade entre os dirigentes e os militantes.

Esclarece que Tchizé dos Santos não foi afastada ou sancionada, mas suspensa para responder a um processo disciplinar, tendo o direito a defender-se.

Disse que os militantes são livres de emitir opiniões, “mas em locais próprios”, pautando pela disciplina, que tornou o MPLA num partido forte, moderno, dinâmico e democrático.

Reafirmou o apoio ao Executivo na moralização da sociedade e no combate a sério a males como a corrupção, à corrupção, à impunidade, ao nepotismo e à bajulação, que corroem o tecido económico e social, fragilizam as instituições e afugentam os investidores estrangeiros.

Declarou que o MPLA, como partido de paz, quer sarar as feridas resultantes do vários conflitos, como o da chamada intentona do 27 de Maio, com o objectivo de construir uma Angola cada vez mais congregadora, que sirva de exemplo para alguns países da região.

Luísa Damião olha para o funeral público do líder fundador da UNITA, Jonas Savimbi, realizado a 1 do corrente, “como um sinal claro de que estamos a cimentar a reconciliação nacional entre os angolanos”.

A dirigente reafirmou abertura a discussões sobre o gradualismo na realização das autarquias locais, essenciais para se construir uma sociedade democrática e como a maior reforma administrativa no país.

Disse que o MPLA está aberto e defende o consenso para as grandes questões nacionais, e que os deputados saberão discutir até à exaustão e saberão o que é melhor para os angolanos.

Luísa Damião considera-se “apenas uma vice-presidente”, que trabalha com uma equipa que sente que está a caminhar bem e que procura dar o melhor de si, esperando ser lembrada como uma mulher trabalhadora, que (…) trouxe também algumas ideias para ajudar o MPLA nesta rota da democracia, da modernização e congregação de pessoas de todas as latitudes.

Disse ter metas “muito humildes”, no sentido de cumprir bem o seu papel, fazer com que mais mulheres possam continuar a acreditar no MPLA, e de buscar soluções inovadoras para levar o partido a alcançar as suas metas e os grandes objectivos a que se propôs.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »