Portal de Angola
Informação ao minuto

Tribunal solta ex-presidente Martinelli após um ano preso no Panamá

O ex-presidente panamenho Ricardo Martinelli (esq.) chega ao tribunal onde será julgado por espionar a oposição, na Cidade de Panamá, em 11 de Junho de 2019 (AFP / Mauricio VALENZUELA)

O tribunal que julga o ex-presidente panamenho Ricardo Martinelli por suspeita de espionar membros da oposição durante seu governo (2009-2014) ordenou sua soltura nesta quarta-feira (9).

Ontem, escreve a AFP, completou um ano desde que ele foi detido no Panamá após ser extraditado dos Estados Unidos.

“O Tribunal ordena a suspensão da medida cautelar imposta a Ricardo Martinelli por cumprir o prazo de vigência” e lhe concede prisão domiciliar, anunciou Raúl Vergara, terceiro magistrado do tribunal que julga o ex-presidente.

Horas antes durante uma audiência, o advogado de Martinelli, Carlos Carrillo, havia pedido “a liberdade imediata” do ex-presidente. Para a alegação do pedido de soltura, o advogado alegou que, segundo legislação em vigor, a detenção provisória “não pode exceder um ano”.

“O texto da lei é claro”, afirmou Vergara, referindo-se a um auto onde se diz que não há “certeza” de que o ex-presidente tivesse a intenção de fugir, influenciar o processo, ou ameaçar os demandantes, como argumentava a Procuradoria.

A decisão, unânime após 11 horas de deliberação, sofreu apelação de todas as partes envolvidas.

Martinelli estava presente na sala do tribunal, quando a decisão foi lida.

O pedido de soltura foi rejeitado pelo procurador Ricaurte González e pelo advogado que representa as vítimas, Carlos Herrera.

“Obviamente, há uma situação de risco” de que Martinelli tente fugir da Justiça, denunciou González, ao rejeitar o pedido da defesa.

É “ridículo” que fique em liberdade, porque “tem uma grande fortuna e um grande poder político” para fugir, insistiu Herrera antes do anúncio do tribunal. Depois, disse “discordar” da decisão judicial.

– Momento histórico

O anúncio do juiz foi celebrado por cerca de 50 simpatizantes de Martinelli na saída do tribunal, aos gritos de “Liberdade, liberdade!”.

Durante as horas de deliberação, podia-se ver o ex-presidente caminhando pela sala, conversando com familiares e até dormindo na cadeira.

Ao longo do dia, foi grande o grupo de simpatizantes que compareceram à audiência, ocupando todos os lugares do tribunal. Também estiveram presentes a mulher do acusado, Marta Linares, e sua filha, Carolina.

“Estou aqui para viver este momento histórico. Fomos testemunhas de que se montou um caso político, onde as provas não ligam Martinelli com o fato em questão”, disse à AFP Lois Abre, que foi ao tribunal junto com os país.

“Isso é uma questão de resistência”, declarou Carolina, outra simpatizante.

O ex-presidente deverá permanecer em sua residência, que fica no bairro de San Francisco, na capital. Não poderá dar declarações à imprensa, nem entrar em contacto com as vítimas, ou sair do país.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »