Portal de Angola
Informação ao minuto

Presidente da Guiné-Bissau viaja para a Guiné Equatorial e Nigéria

O presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz. 11 de Junho de 2014. (DR)

DN|Lusa

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, viajou hoje para a Guiné Equatorial para participar num encontro do Fundo da ONU para a Alimentação e Agricultura, seguindo depois para a Nigéria para participar no “Dia da Democracia”.

Segundo um comunicado da Presidência guineense, divulgado à imprensa, na Guiné Equatorial José Mário Vaz vai participar com outros chefes de Estado e representantes da comunidade internacional num encontro que visa recapitalizar o fundo fiduciário da FAO.

De Malabo, o chefe de Estado guineense desloca-se para Abuja, a convite do seu homólogo nigeriano, Muhammadu Buhari, para participar no “Dia da Democracia”, que se assinala quarta-feira na Nigéria, devendo regressar a Bissau na quinta-feira.

A viagem do Presidente guineense ocorre numa altura em que a Guiné-Bissau vive um novo impasse político.

Três meses depois das legislativas de 10 de março, o Presidente guineense continua sem indigitar o primeiro-ministro e nomear o novo Governo, alegando o impasse para eleição da mesa da Assembleia Nacional Popular (parlamento), que teve início após a tomada de posse dos novos deputados a 18 de abril.

Depois de Cipriano Cassamá, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), ter sido reconduzido no cargo de presidente do parlamento, e Nuno Nabian, da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), ter sido eleito primeiro vice-presidente, a maior parte dos deputados guineenses votou contra o nome do coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Braima Camará, para segundo vice-presidente do parlamento.

O Madem-G15 recusou avançar com outro nome para cargo e apresentou uma providência cautelar para anular a votação, mas que foi recusada pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Por outro lado, o Partido de Renovação Social (PRS) reclama para si a indicação do nome do primeiro secretário da mesa da assembleia.

O parlamento da Guiné-Bissau está dividido em dois grandes blocos, um, que inclui o PAIGC (partido mais votado nas legislativas, mas sem maioria), a APU-PDGB, a União para a Mudança e o Partido da Nova Democracia, com 54 deputados, e outro, que juntou o Madem-G15 (segundo partido mais votado) e o PRS, com 48.

O Presidente guineense termina o seu mandato a 23 de junho.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »