Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Marcelo tem dedicado discursos do 10 de junho ao povo e à pátria

(Tiago Petinga - Lusa)

DN|Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tem dedicado os seus discursos no 10 de Junho à exaltação do povo e de Portugal, duas das palavras que mais repete, falando numa pátria de caráter “universal”.

O chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas tem feito dois discursos nesta data, um mais solene, de manhã, numa cerimónia militar em território português, e outro mais emotivo, ao fim do dia, perante comunidades portuguesas no estrangeiro – ou, como prefere dizer, no “território espiritual” da nação.

Este modelo inédito de dupla comemoração do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas foi lançado logo no ano da sua posse, 2016, em articulação com o primeiro-ministro, António Costa, e até agora decorreu entre Lisboa e Paris, entre o Porto e o Brasil e entre os Açores e os Estados Unidos da América.

Nesta quarta edição, entre Portalegre e Cabo Verde, Marcelo Rebelo de Sousa tentará, uma vez mais, com a ajuda do fuso horário, fazer as duas intervenções no próprio dia 10 de Junho, o que implica operações logísticas complexas para assegurar a atempada deslocação de todos os envolvidos entre os dois locais das celebrações.

O Presidente da República não quis seguir a tradição de longas cerimónias de condecorações no Dia de Portugal, preferindo distinguir pontualmente militares ou personalidades da emigração portuguesa, e optou por discursos curtos, de cinco a dez minutos, no máximo.

“Portugal” foi a palavra mais usada pelo chefe de Estado, 20 vezes nas cerimónias militares e 51 vezes perante os portugueses e lusodescendentes no estrangeiro. “Povo” aparece também em destaque, ao todo, 21 vezes, e “pátria” doze vezes.

O elogio aos emigrantes é uma constante. Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu sempre o seu “exemplo” de trabalho, em Paris, no Rio de Janeiro e em São Paulo, assim como em Boston, Providence e New Bedford. E tornou-se uma marca sua engrandecer os portugueses e Portugal proclamando-os “os melhores”.

“Os Estados Unidos da América são um grande país, mas Portugal ainda é maior. Nós temos o melhor país do mundo”, declarou, por exemplo, em Boston, no ano passado.

No seu primeiro 10 de Junho como Presidente da República, em 2016, Marcelo Rebelo de Sousa assinalou a data no Terreiro do Paço, em Lisboa, que era o palco das celebrações no tempo do Estado Novo, e fez uma intervenção a aclamar “o povo armado” e “não armado” construtor da identidade nacional e o papel das Forças Armadas para a liberdade e a independência.

No ano seguinte, a cerimónia militar decorreu no Porto, onde abriu o seu discurso defendendo um Portugal “independente do atraso, da ignorância, da pobreza, da injustiça, da dívida, da sujeição” e “livre da prepotência, da demagogia, do pensamento único, da xenofobia e do racismo”.

Em 2018, em Ponta Delgada, na ilha açoriana de São Miguel, o chefe de Estado afirmou Portugal como um país destinado a um “universalismo fraternal”, que prefere “a paciência dos acordos, mesmo se difíceis, à volúpia das roturas, mesmo se tentadoras” e “o multilateralismo realista ao unilateralismo revivalista”.

Marcelo Rebelo de Sousa terminou esse discurso com os primeiros versos do hino nacional: “Heróis do mar, nobre povo, nação valente, imortal”.

O Presidente da República designou o jornalista João Miguel Tavares, natural de Portalegre, para presidir à comissão das comemorações do 10 de junho deste ano.

Em 2016, o escolhido para essa função foi o professor universitário e investigador João Caraça, doutorado em Física Nuclear, que é natural de Lisboa e dirigia, na altura, a delegação da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris.

Em 2017, o presidente da comissão organizadora do Dia de Portugal foi o médico, professor universitário e investigador Manuel Sobrinho Simões, que é natural do Porto. E no ano passado, foi o escritor e filósofo açoriano Onésimo Teotónio Almeida, professor catedrático da Universidade de Brown, em Providence, Rhode Island.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »