Portal de Angola
Informação ao minuto

Frelimo recua da ideia de expulsar Samora Machel Júnior do partido

Samora Machel Júnior (DR)

Intervenção de Chissano foi determinante

“Hoje é Samora Machel (Júnior), mas há muitos que falam em surdina aí. Portanto, temos de nos reconciliar” – apelou

Segundo o site moçambicano Savana, Joaquim Chissano, antigo Presidente da República, teve, no decurso da III sessão ordinária do Comité Central da Frelimo, um discurso determinante para o refreamento da ideia de expulsar Samora Machel Júnior do partido, como castigo pela indisciplina que o filho de Samora Moisés Machel tem estado a demonstrar nos últimos tempos.

Nas vésperas da reunião, a tese da expulsão continuava a ser apontada como opção “A”, uma perspectiva interpretada como chamada de atenção e deixar devidamente claro que o partido não admite “confrontação” de ideias senão as habituais hosanas ao chefe máximo.

E Samora Júnior, achando-se injustiçado, tinha ido exactamente pelo caminho da confrontação directa, até com a figura máxima do partido, Filipe Nyusi. Samito, se sabe, chegou mesmo a exigir processo disciplinar partidário e demissão de Filipe Jacinto Nyusi.

Entretanto, tomando a palavra e numa intervenção de pouco mais de 20 minutos, Joaquim Chissano conseguiu falar e convencer aos seus pares sobre a necessidade de uma reflexão de cabeça fria. Pontualmente e de forma mais directa apontou que o que a Frelimo precisa é de reconciliação. E chamou atenção para a necessidade de não se pensar a reconciliação de fora para dentro ou de dentro para fora. Mas sim, de dentro para dentro.

Em vários momentos da abordagem, Chissano citou directamente o nome de Samora Machel Júnior. Disse que era filho e em situações “como estas” não se pode expulsar um filho de casa. Necessário sim é educá-lo.

Mas a abordagem de Joaquim Chissano cheirou, igualmente, à defesa clara de Samora Machel. Não disse taxativamente que Samora Júnior, ao reclamar o que reclamou, não tinha cometido qualquer pecado.

Mas disse, isso sim, que “dizer coisas duras a um camarada não é matá-lo. É salvá-lo. Por isso, queria apelar a mais diálogo entre nós” – anotou Chissano, ao que parece, referindo-se às críticas de Samora Machel ao funcionamento do partido.

Samora Júnior, se sabe, atacou de forma contundente e sem reservas o Presidente da Frelimo, Filipe Nyusi, segundo consta na argumentação de defesa à acusação de promover indisciplina no seio do partido.

Voltando a buscar histórias do passado para deixar clara a necessidade de mais diálogo e reconciliação no seio partidário, Chissano recordou os tempos difíceis do diálogo inicial entre o governo e a Frelimo. Deixou claro que teve de abraçar Afonso Dhlakama várias vezes, na perspectiva de que era importante recuperá-lo e não entregá-lo ao inimigo.

“Agora. Entre nós aqui! Parece que nós queremos expulsá-lo (expulsar Samora Júnior). Parece que estamos a dizer vai, vai, sai, sai. Não há nada para reeducá-lo? Ele é nosso. É preciso dialogar, sobretudo quando é a primeira vez (primeiro pecado de Samora Júnior). Eu queria apelar para isto. Não há motivo” – disse Chissano, figura que continua bastante respeitada no partido e com detentor de intervenções que consensualizam o grupo.

“Eu creio que estas coisas que andam a publicar aí (atritos entre Samora Júnior e dirigentes da Frelimo) deve-se apagar tudo. Hoje é Samora Machel (Júnior), mas há muitos que falam em surdina aí. Portanto, temos de nos reconciliar” – apelou.

No fecho da sua intervenção, Joaquim Chissano fez até questão de recordar o pensamento de Samora Moisés Machel quando o assunto fosse abordar questões de comportamento de membros. Disse Chissano que Samora Moisés Machel defendia a ideia de se evitar, de todas as maneiras, entregar o “camarada” ao inimigo.

“Perguntava Samora (Moisés) Machel, expulsarmos para onde? Você quer levar o camarada aqui para o inimigo? Temos de encontrar maneiras de ganhar esse camarada. Ele (Samora Moisés Machel) era contra isso” – disse Chissano, chamando, no fim, a necessidade de não se pensar que ele (Chissano) já tinha dito o que deve acontecer em relação ao caso Samora Júnior, pois “esta é apenas a minha contribuição e pensamento”.

“Não venham falar que Chissano já disse. Não, é para reflectirmos. É preciso o diálogo” – terminou Chissano, agradecendo a Filipe Nyudi pelo espaço concedido.

A intervenção de Joaquim Chissano aconteceu no último dia da reunião. Chissano falou depois de ter ouvido vários posicionamentos contundentes contra Samora Machel Júnior, simplesmente pelo facto de ter reclamado e exigido cumprimento dos estatutos partidários.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »