Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Tribunal britânico rejeita processo que acusava Boris Johnson de mentir em campanha do Brexit

O ex-secretário das Relações Exteriores Boris Johnson 18/01/2019 (REUTERS/Andrew Yates)

Reuters

Juízes da Alta Corte de Londres rejeitaram uma tentativa de processar Boris Johnson, o favorito para substituir Theresa May como primeiro-ministro, por supostamente mentir sobre a separação britânica da União Europeia durante a campanha do referendo de 2016 sobre o bloco.

O caso girava em torno de uma frase estampada no ónibus da campanha “Saia” de Johnson que dizia que o Reino Unido economizaria 350 milhões de libras esterlinas por semana fora da UE.

Oponentes argumentaram que ela era deliberadamente enganadora, e a frase se tornou um símbolo das divisões causadas pelo referendo, no qual 52% dos britânicos optaram pela ruptura com a UE.

O empresário Marcus Ball, de 29 anos, tentou processar Johnson por má conduta em um cargo público, e no mês passado um juiz disse que Johnson deveria comparecer a um tribunal por causa da alegação.

Mas em uma audiência de análise judicial realizada nesta sexta-feira na Alta Corte, o advogado de Johnson, Adrian Darbishire, disse que o juiz ou se equivocou na lei ou proporcionou o teste legal errado ao permitir que o caso avançasse.

Darbishire afirmou que a única conclusão racional é que o caso tem motivação política e, por isso, não tem mérito.

Os juízes da Alta Corte disseram que explicarão as razões de terem rejeitado o caso em uma ocasião posterior.

O ex-secretário das Relações Exteriores Johnson é o mais bem cotado entre os parlamentares conservadores que esperam substituir May como líder do partido, e portanto como primeiro ministro.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »