Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Silêncio e segurança em Pequim no 30.º aniversário da repressão na Praça Tiananmen

(DR)

AFP

A China recorda nesta terça-feira os 30 anos da feroz repressão na Praça da Paz Celestial (Tiananmen) com um doloroso silêncio e um forte esquema de segurança que deteve activistas e tornou mais rígido o controle da Internet.

Em um dia cinza e nublado, a polícia verificava documentos de identidade de cada turista e cada passageiro que saía da estação de trem subterrânea nas proximidades da Praça, palco da sangrenta repressão de 4 de Junho de 1989.

O esquema de segurança dificultava a entrada de jornalistas estrangeiros na Praça, enquanto os policiais gritavam que não era permitido tirar fotografias.

A Praça era ocupada por centenas de pessoas, incluindo crianças com a bandeira chinesa sobre os ombros dos pais, que formaram fila para passar pelos controles policiais e entrar no local para a cerimónia de içamento da bandeira.

Na noite de 3 de Junho de 1989, soldados sufocaram a revolta, após sete semanas de manifestações e greves de fome de estudantes e operários que pediam o fim da corrupção e mais democracia.

O número exacto de mortos é desconhecido. Dois dias depois do massacre, o governo informou “quase 300 mortos”, incluindo militares, na repressão do que qualificou de “distúrbios contrarrevolucionários”.

O embaixador do Reino Unido na época falou de dez mil mortos e a Cruz Vermelha Chinesa, de 2.700. Em geral, segundo dados hospitalares, estima-se que houve entre 400 e mais de mil mortos.

O governo chinês impõe o silêncio sobre o tema na imprensa, na Internet, nos livros, nas apostilas escolares e nos filmes, excepto em raras ocasiões, em que se descreve o massacre com um eufemismo: “a agitação política do ano 1989”.

– Fim da esperança –

Na segunda-feira, o secretário americano de Estado, Mike Pompeo, declarou que os Estados Unidos perderam a esperança em matéria de direitos humanos na China, e pediu liberdade para os presos políticos e os muçulmanos uigures.

No comunicado pelos 30 anos do massacre, Pompeo elogiou o “heróico movimento de protesto” que agitou “a consciência das pessoas amantes da liberdade ao redor do mundo”.

“Durante as décadas seguintes, os Estados Unidos esperaram que a integração da China ao sistema internacional levasse a uma sociedade mais aberta e tolerante. Essas esperanças se viram frustradas”, disse Pompeo.

“Hoje, os cidadãos chineses estão submetidos a uma nova onda abusos, especialmente em Xinjiang, onde os líderes do Partido Comunista tentam estrangular metodicamente a cultura uigur e apagar a fé islâmica”.

A embaixada chinesa em Washington reagiu acusando Washington de “atacar seu sistema e depreciar suas políticas” com comentários “por preconceito e arrogância” sobre os acontecimentos na Praça Tiananmen.

O porta-voz da embaixada destacou que Pompeo usou “o pretexto dos direitos humanos” para dar uma declaração que “interfere grosseiramente nos assuntos internos da China, ataca seu sistema e desprestigia suas políticas internas e externas”.

“Esta é uma afronta ao povo chinês e uma grave violação do direito internacional e das normas básicas que regem as relações internacionais. A parte chinesa manifesta seu forte descontentamento e sua firme oposição”.

Pequim “está firmemente comprometido com o caminho do desenvolvimento pacífico e dos direitos humanos na China e em todo o mundo, e tem feito uma contribuição significativa à governança internacional dos direitos humanos, fato reconhecido por todas as pessoas imparciais”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »