Portal de Angola
Informação ao minuto

EUA reforçam sanções contra Cuba

Turistas em Havana Velha (Maio) (AFP/Arquivos / YAMIL LAGE)

O governo do presidente americano, Donald Trump, reforçou, nesta terça-feira (4), as sanções contra Cuba, proibindo viagens em grupo de americanos para a ilha caribenha, bem como a exportação de barcos e aviões particulares dos Estados Unidos.

“Cuba continua a desempenhar um papel desestabilizador no Hemisfério Ocidental, fornecendo uma plataforma comunista na região e apoiando adversários americanos em lugares como Venezuela e Nicarágua, ao fomentar a instabilidade, minar o Estado de Direito e suprimir processos democráticos”, declarou o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, citado pela AFP, ao anunciar as medidas.

“Este governo tomou uma decisão estratégica para reverter o relaxamento das sanções e outras restrições ao regime cubano. Essas acções vão ajudar a manter os dólares americanos fora do alcance dos serviços militares, de Inteligência e de segurança cubanos”, disse ele em um comunicado.

Os Estados Unidos aplicam desde 1962 um bloqueio económico contra Cuba, a fim de forçar uma mudança de regime. Desde a chegada de Trump ao poder, o governo tem reforçado as medidas contra a ilha, apagando a aproximação conduzida por seu predecessor, o democrata Barack Obama.

O fim das viagens educacionais em grupo será, provavelmente, um duro golpe para o turismo americano na ilha, que decolou com as iniciativas tomadas por Obama.

O projecto do Tesouro proíbe as chamadas “viagens educacionais colectivas”. Esse mecanismo permitia que agências de viagens organizassem “grupos educacionais”, reunindo turistas americanos que, durante visita a Cuba, passavam algum tempo com cubanos.

A decisão do Tesouro também restringe as exportações de navios de passageiros, embarcações recreativas e aeronaves privadas.

Após sua posse em Janeiro de 2017, prometendo reverter o degelo de Obama com Cuba, Trump proibiu visitas individuais e limitou as interacções comerciais com o país.

Washington acusa Cuba de apoiar o governo venezuelano do presidente Nicolás Maduro.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »