Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Actualização: Nove mortos em acção militar contra manifestantes no Sudão

Manifestações sudaneses se reunem em frente ao Ministério da Defesa (Foto: Stringer / Reuters)

Pelo menos nove pessoas morreram hoje em confrontos entre manifestantes e forças de segurança na capital sudanesa, numa alegada tentativa de dispersar o movimento de contestação, operação negada pelos militares.

Segundo o Comité Central dos Médicos Sudaneses, uma organização próxima do movimento de contestação, foram hoje mortas nove pessoas “na dispersão” do acampamento pacífica em frente ao Quartel-General (QG) das Forças Armadas (FA) em Cartum.

“O balanço dos mártires do massacre de hoje passou a nove, depois da morte de mais quatro pessoas”, declarou o Comité, que horas antes tinha dado conta da cinco mortos na sequência da operação militar.

O Conselho Militar desmentiu entretanto ter dispersado “através da força” a manifestação pacífica que há mais de sete semanas se concentrou em frente ao QG.

“Não dispersámos o ‘sit-in’ pela força”, afirmou um porta-voz do Conselho, o general Shamseddin Kabbashi, à estação de televisão Sky News Arabia, baseada nos Emirados Árabes Unidos. “As tendas estão lá e os jovens podem circular livremente”, acrescentou.

Em resposta à operação militar, os manifestantes, que há quase dois meses reclamam a passagem do poder para os civis, incendiaram pneus e ergueram pequenas barricadas com tijolos nas ruas que acedem ao local do “sit-in” e noutros eixos da capital.

De acordo com o comité central dos médicos sudaneses, uma organização próxima do movimento de contestação, a fonte que está a dar conta do número de mortos até agora, as forças de segurança chegaram a disparar dentro do hospital Charq al Nil, em Cartum, e impediram o acesso a um segundo estabelecimento hospitalar na capital sudanesa, Royal Care.

Segundo a Lusa, as relações entre os dois campos foram ficando cada vez mais tensas após o fracasso das negociações no passado dia 20 de maio, que foi seguido de várias ameaças por parte do Conselho Militar, que dirige o país desde o passado 11 de abril, data da destituição sob a pressão popular do Presidente Omar al-Bashir.

A escalada das tensões culminou hoje na tentativa de dispersão pela força da manifestação pacífica na praça em frente ao QG das FA e na reação do movimento contestatário com o apelo à “desobediência civil” em todo o país e ao “derrube” dos generais no poder.

Disparos provenientes do local do “sit-in” foram ouvidos durante toda a manhã por um jornalista da agência France-Presse, que testemunhou uma deslocação importante das forças de segurança nas ruas da capital.

“Está em curso uma tentativa do Conselho Militar de dispersar o ‘sit-in'”, indicou através de um comunicado e na sequência dos disparos sentidos a Associação dos Profissionais Sudaneses, líder do movimento de contestação.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »