Portal de Angola
Informação ao minuto

Malária é a principal causa de internamento na pediatria no Lobito

Pico anual de pacientes de malária ainda está por vir (Ampe Rogério)

Centro e 30 crianças encontram-se internadas na Pediatria do Hospital Geral do Lobito, município da província de Benguela, principalmente devido à complicações associadas à malária, informou, neste sábado, a directora da unidade, Cristina Figueiredo.

Falando à Angop, durante a visita da esposa do governador de Benguela, Vanda Pinto de Andrade, à pediatria do Lobito, na sequência do 1 de Junho, Dia Internacional da Criança, a responsável afirmou que a malária continua a ser a principal causa de internamento, seguido da broncopneumonia e gastroenterite aguda, daí a pressão nos últimos dias.

Cristina Figueiredo contou que, actualmente, tem as 120 camas da unidade ocupadas por doentes nesta situação, embora reconheça que, devido à procura crescente, estão internadas 130 crianças, ou seja, mais 10 acima da capacidade, o que faz com que haja partilha de alguns leitos.

Informou que o banco de urgência tem registado nos últimos dias uma grande pressão, estando a assistir em média mais de 80 crianças diariamente, enquanto a área de consultas externas atende acima de 100 utentes.

Porém, a directora da pediatria do Lobito garante que há medicamentos para tratar os casos de malária naquela unidade, apelando o reforçado do corpo clínico – constituído por 10 médicos e 80 enfermeiros, para continuar a responder de forma mais eficiente à demanda.

A interlocutora pensa que essa procura que se acentua nesta altura resulta do facto de a pediatria atender todo o município do Lobito, já que é a única unidade do género na região. Daí a necessidade de se aumentar o número dos recursos humanos.

Na mesma senda, Zeferino Joaquim, director municipal da Saúde do Lobito, destacou, embora sem dados estatísticos, o aumento dos casos de malária na localidade, sendo as crianças e mulheres grávidas as franjas da população mais afectadas.

Relativamente à pediatria, reconheceu que tem havido fluxo considerável de crianças nesta época do ano e pediu que os “poucos profissionais existentes” continuem com engajamento e sacrifício, até que as autoridades resolvam a questão do reforço do corpo clínico.

Para fazer face a esta situação, as autoridades da saúde estão a privilegiar as campanhas de prevenção da malária, com o envolvimento das comunidades, que consistem na distribuição de mosquiteiros para crianças menores de cinco anos e mulheres grávidas, por um lado, e, por outro, na fumigação e luta anti-larval para eliminar o mosquito em charcos.

Crianças internadas recebem carinho e presentes

Sob o signo do 1 de Junho, Vanda Pinto de Andrade, esposa do governador de Benguela, ofereceu neste sábado 270 brinquedos às crianças tanto em consultas, quanto internadas na pediatria do Lobito, num gesto que a própria benfeitora justifica com a necessidade de proporcionar um momento feliz aos petizes e suas famílias.

Acompanhada do governador Rui Falcão e de vários membros do Governo Provincial de Benguela, a madrinha das crianças, como é tratada, aproveitou a visita à unidade pediátrica do Lobito para, de igual modo, entregar simbolicamente dois dos 25 berços oferecidos pelos chineses da pescaria Guanda Pesca, na Caota.

Em breves palavras, no final da actividade, Vanda Pinto de Andrade disse ter escolhido o hospital pediátrico do Lobito para levar carinho, amor e afecto às dezenas de crianças que, por causa do seu estado de saúde, não podem festejar o 1 de Junho com as suas famílias.

Em jeito de recomendação, pediu aos profissionais da pediatria que continuem a tratar de todos os doentes com carinho, profissionalismo e amor. “Quem trabalha com crianças tem que ter amor e tem que transmitir amor”, enfatizou.

Domingas Catumbo, mãe da pequena Luciana Júnior, que se encontra a recuperar de um paludismo numa cama que a mesma partilha com mais uma criança, encarou com grande surpresa e alegria o facto de receber brindes, no momento delicado em que tem a filha doente.

Esperançada, Domingas acredita que a medicação via intramuscular (soro) a que a filha está sujeita lhe dará condições de ter alta hospitalar, dentro de pouco tempo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »