- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Importação de alimentos gasta 4 mil milhões USD ano

Importação de alimentos gasta 4 mil milhões USD ano

Mercado

De 2017 ao primeiro trimestre do corrente ano a importação de alimentos custou as reservas internacionais cerca de sete mil milhões USD. Para os próximos meses as reservas poderão não mais suportar as importações.

Nos últimos dez anos o País gastou 40 mil milhões USD para importar bens alimentares segundo revelou o presidente da Associação Industrial, José Severino.

Valor que, como aponta, serviria para investir em infra-estrutura e no fomento da produção interna, caso os importadores, principais superfícies comerciais e grossistas, tivessem optado por adquirir os bens ou parte destes no mercado interno.

José Severino falava durante a conferência sobre a sustentabilidade das reservas internacionais realizada recentemente em Luanda. Na ocasião o associativista industrial defendeu a priorização da produção interna uma vez que o nível actual das reservas apenas garante três meses de importação, situação que considera insustentável.

“Se essas reservas garantem pelo menos 3 meses de importação é porque o rácio de consumo baixou radicalmente, porque se tivéssemos mantido o rácio de a quatro anos elas nem sequer aguentariam dois meses” Alerta ainda que se o preço do petróleo no mercado internacional voltar a baixar significativamente nos próximos meses as reservas não poderão fazer face as necessidades do País.

De igual modo o administrador do Banco Nacional de Angola, BNA, Pedro Castro Silva, defendeu a urgência do processo de diversificação da economia nacional para promover a substituição das importações de bens alimentares no curto prazo.

Nos últimos dois anos o País gastou cerca de sete mil milhões USD, com recurso as reservas internacionais, para a importação de bens alimentares sendo que deste valor cerca de 40% serviram para a importação de produtos da cesta básica. Um valor considerado excessivo quando comparado a realidade de países como Moçambique que gasta anualmente cerca de 200 milhões USD.

Dada as progressivas diminuições que as reservas vêm registando, o administrador apela a substituição das importações de produtos da cesta básica pela produção local, mas reconhece ser difícil substitui a importação de serviços no curto prazo.

Ainda segundo dados do BNA, de 2014 a 2018 mais da metade das divisas vendidas ao mercado tiveram como destino a importação de mercadorias ao passo que as despesas de capitais apenas representaram 2% do total de divisas vendidas. Diante deste cenário, o administrador considera que o País deve elevar o peso da agricultura no PIB aos níveis médios da África Subsariana, passando dos actuais 6% para os 16%.

Ainda em termos comparativos destaca que países como a Nigéria e Moçambique fixam o peso da agricultura no PIB acima do 20%. Longe da autossuficiência, mas com capacidade produtiva Em época de colheita da campanha agrícola 2018, produtores apontam que a produção local tem registado aumento apesar dos inúmeros desafios que o sector ainda enfrenta como a falta de sistemas rega, falhas na distribuição e condições de armazenamento.

De acordo com o agrónomo e fazendeiro António Camosse não há dados oficiais e consolidados da produção nacional, o que dificulta a elaboração de políticas que facilitem a utilização assertiva destes recursos. O programa de quota de importação não tem sido eficaz, devido a falta de estatísticas reais da produção nacional.

- Publicidade -
- Publicidade -

Espionagem: os telefones ultra-seguros dos presidentes africanos

Entre a vigilância de oponentes e terroristas, o suculento mercado de espionagem em África Em África, o mercado das “orelhas grandes” está a crescer....
- Publicidade -

Boston vence Heat e reduz desvantagem

Ao vencerem na madrugada deste domingo os Miami Heat, por 117-106, os Boston Celtic reduziram para 1-2 a desvantagem nos "play-offs" a melhor de...

Porto entra a vencer no Dragão

O FC do Porto recebeu e venceu sábado, no estádio do dragão o Braga por 3-1, jogo referente a primeira jornada da Liga Nos...

Covid-19: Angola regista 53 novos casos e dois recuperados

As autoridades sanitárias anunciaram o registo, nas últimas 24 horas, de 53 novas infecções e dois recuperados. Segundo o secretário de Estado para a Saúde...

Notícias relacionadas

Espionagem: os telefones ultra-seguros dos presidentes africanos

Entre a vigilância de oponentes e terroristas, o suculento mercado de espionagem em África Em África, o mercado das “orelhas grandes” está a crescer....

Boston vence Heat e reduz desvantagem

Ao vencerem na madrugada deste domingo os Miami Heat, por 117-106, os Boston Celtic reduziram para 1-2 a desvantagem nos "play-offs" a melhor de...

Porto entra a vencer no Dragão

O FC do Porto recebeu e venceu sábado, no estádio do dragão o Braga por 3-1, jogo referente a primeira jornada da Liga Nos...

Covid-19: Angola regista 53 novos casos e dois recuperados

As autoridades sanitárias anunciaram o registo, nas últimas 24 horas, de 53 novas infecções e dois recuperados. Segundo o secretário de Estado para a Saúde...

Flávio Fortes, andebolista cabo-verdiano quer triunfar na liga francesa e no Mundial

Os diferentes campeonatos de andebol em França já estão em andamento, quer em masculinos, quer em femininos. Na liga francesa de Nationale 1, terceiro...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.