Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Madagáscar volta hoje às urnas para eleger deputados à Assembleia

(DR)

JN|Lusa

Cinco meses depois do duelo entre os candidatos à Presidência de Madagáscar, que culminou na vitória de Andry Rajoelina sobre o seu eterno rival Marc Ravalomanana, os malgaxes voltam hoje às urnas, agora para eleger os deputados ao parlamento.

Depois da derrota de dezembro, Marc Ravalomanana tem-se multiplicado em apoios aos candidatos do seu partido, TIM, e mostrado determinação em vencer a terceira ‘rodada’ daquele país insular com cerca de 25 milhões de habitantes.

Quando a campanha arrancou, no início de maio, manifestou o seu desapontamento pela derrota nas presidenciais e vincou a necessidade de o partido se levantar neste novo embate eleitoral. “Somos vencedores e não seremos derrotados”, referiu, na ocasião, Marc Ravalomanana.

Com o envolvimento nesta campanha limitado devido às suas funções de chefe de Estado, Andry Rajoelina tem promovido múltiplas inaugurações e visitas a todas as zonas da ilha, sempre acompanhado por candidatos da sua aliança política.

Através do Twitter, e depois de uma viagem a Diego Suares (no norte do país), Andry Rajoelina escreveu esta semana que “estamos com dedicação para mudar a vida” de Madagáscar e “desenvolver o nosso pais”.

Nesta eleição espera-se um ‘cara a cara’ entre as fações dos dois principais opositores nas presidenciais, com os candidatos do Tim a reconhecerem que ficaram desapontados com a derrota de Marc Ravalomanana, mas a assumirem que este desfecho os motivou querer ganhar agora com maioria.

Os apoiantes da plataforma de Rajoelina alertam, por seu lado, para a necessidade de obterem uma maioria de deputados na Assembleia, que garanta estabilidade e evite uma guerra política nestes próximos cinco anos.

Em 2013, Hery Rajaonarimampianiana foi eleito para a Presidência sem apresentar candidatos para as eleições legislativas, contando com o apoio de uma maioria de deputados independentes e com o partido de Rajoelina.

Mas quando, em 2018 o partido de Rajoelina se juntou a Ravalomanana para se opor à aprovação de novas leis eleitorais – nomeadamente uma que suspenderia uma disposição que impedia os candidatos da oposição de participar nas próximas presidenciais -, o país mergulhou numa crise que culminou com a queda do Governo, após dois meses de fortes e violentos protestos nas ruas.

Lembrando estes acontecimentos, os candidatos do Presidente têm afirmado que os malgaxes “não querem reviver” estes tempos.

Nesta eleição de segunda-feira, a moldura de candidatos independentes torna improvável a formação de uma maioria estável em Madagáscar, que tem um regime semipresidencial.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »