- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques 27 de Maio: Recordar para prevenir

27 de Maio: Recordar para prevenir

Quarenta e dois anos mais tarde, os eventos do 27 de Maio de 1977 permanecem despertos, embora ainda envolvidos da inscrição “delicado”. O Jornal de Angola preparou uma edição especial que procura trazer alguma luz sobre o assunto, dentro da ideia de “lembrar para prevenir”, sem, portanto, pretender reabrir feridas, fazer renascer polémicas, acirrar ódios ou estimular mágoas.

Afinal, o momento aconselha a reflexão sobre as dramáticas ocorrências, para referência futura, na certeza de que a compreensão de contextos e fenómenos potenciam a prevenção e o diálogo.

Sequência cronológica

No primeiro dia do mês no qual o 27 ficou conhecido como a data da purga histórica no seio do MPLA, tinha o país um ano e seis meses de Independência, o Presidente Agostinho Neto admitia que o “fraccionismo” era um mal que dividia o povo e o partido, num comício no Largo 1º de Maio, em Luanda. Até àquele dia, Agostinho Neto reconhecia que o “fraccionismo” no seio do partido era assunto “especialmente por razões objectivas”, mas a “florescer” dentro do MPLA.

Nos pedidos de unidade nacional, Agostinho Neto lembrava que era preciso não dividir “nem por raças, nem segundo tendências políticas ou religiosas nem segundo as regiões” o partido. Mas era o receio do “fraccionismo” o maior inimigo do partido que tinha proclamado a Independência Nacional, a 11 de Novembro de 1975. “O fraccionismo é um mal que divide a organização, o povo e nós”, admitia Neto no comício no Largo 1º de Maio, hoje Praça da Independência, nas comemorações do Dia Internacional do Trabalhador.

A cronologia dos acontecimentos regista que, 17 dias depois, a 18 de Maio, num comunicado, o MPLA reconhecia que “todas organizações se depuram”. “Os que entram animados por entusiasmo passageiro ou por interesses perfeitamente particularizados, geralmente afastam-se com as primeiras dificuldades ou acabam por ser expulsos ao constatar que se comportam revolucionariamente”, lê-se no comunicado, que não faz uma única referência ao “fraccionismo”, mas considera “um ponto basilar e inalienável” da condição de militante a fidelidade à linha do partido.

No comunicado há ainda espaço para criticar “camaradas” chamados a desempenhar funções no aparelho de Estado, mas que não são militantes. O MPLA considera que estes burocratas evidenciavam “zelo excessivo” e representam um “travão ao dinamismo que deve ser apanágio da organização partidária”. No dia 20 e 21 de Maio, o Comité Central do partido reúne-se, em Luanda, especificamente para analisar “problemas decorrentes da actividade fraccionista”, segundo o comunicado do encontro.

Nesta reunião, a Comissão de Inquérito criada para o efeito apresentou um relatório sobre a problemática do “fraccionismo”. Entre as conclusões: “a existência, de facto, do fraccionismo”. O partido admitia que este “fraccionismo” se apresentava “com uma capa aparentemente revolucionária e visava realmente dividir o MPLA, desviar consequentemente o povo dos verdadeiros objectivos da etapa da luta: a reconstrução nacional e a defesa da integridade territorial contra o imperialismo”.

Estava formalmente anunciado, que os “fraccionistas pretendiam difundir ideias erradas no seio dos militantes e do povo, e o fomento de actividades agitadoras contra os membros do Comité Central, organismos do Estado e do MPLA, tais como a DISA e o Bureau Político, com objectivos de abalar a coesão do MPLA e a unidade da Nação”.

Nesta reunião, os nomes de militantes acusados de dirigir actividades “fraccionistas” são revelados: Alves Bernardo Baptista (Nito Alves) era o primeiro no relatório da Comissão de Inquérito, criada pelo III Plenário do Comité Central. José Jacinto Vieira Dias Van-Dúnem (Zé Van-Dúnem), o segundo.

No dia 21 de Maio, num discurso à Nação, o Presidente Agostinho Neto apelava à necessidade do “cumprimento rigoroso” da palavra de ordem: “Fazer um combate contra todos os fraccionistas que encontrarmos no caminho”.

A cronologia dos factos publicados no Jornal de Angola tem uma “branca” sobre o 27 de Maio, depois do dia 21. O registo imediato data de 5 de Junho de 1977. Já a purga tinha acontecido a 27 de Maio. E o registo de 5 de Junho é apenas um comunicado do Comité Central. O partido apresentava aquilo que considera as “características” dos participantes da “intentona criminosa de golpe de Estado”:

“São provenientes da clandestinidade e de prisões coloniais. O comunicado acentua que aos “Chipendas” coube a tarefa de destruir o MPLA da guerrilha”.

O partido revelava que foram necessários oito meses para preparar o golpe. Cheio de triunfalismos, apesar da chacina que vitimou mais gente inocente, o partido alerta em comunicado:

“Que os últimos acontecimentos sirvam de exemplo para reforçar a disciplina militar”, e fala de uma lição “dura e dolorosa” dada a Nito Alves e Zé Van-Dúnem.

O partido aproveita a ocasião para associar à tentativa de golpe o nome de Viriato da Cruz que, na história que recupera no comunicado, é acusado também de, em 1963, antes da sua expulsão do MPLA, em Leopoldeville (Kinshasa), a tentar contra a liderança do partido. Outra tentativa de golpe, segundo o partido, aconteceu em 1972, protagonizada por Daniel Júlio Chipenda.

Luto Nacional

No dia 8 de Junho, o MPLA declarava luto nacional de três dias em homenagem às vítimas do 27 de Maio. Assinado por Lopo do Nascimento, então Primeiro-Ministro, o comunicado suspendia espectáculos públicos naqueles dias. O partido rendeu homenagem aos comandantes “Dangereux”, Nzaji, Saydi Mingas, Eurico, Bula Hélder e Garcia Neto.

Detenção de Zé Van-Dúnem e Sita Vales

O anúncio da detenção de José Jacinto da Silva Vieira Dias Van-Dúnem (José Van-Dúnem) e Sita Vales aconteceu a 18 de Junho pelo Ministério da Defesa, por via de um comunicado emocionado. “Já foi capturado um dos principais cabecilhas do fraccionismo”, lê-se na nota. O documento assinalava que os dois “fraccionistas” foram encontrados escondidos num celeiro. numa lavra de mandiocas.

Comissão de Lágrimas

No rescaldo do 27 de Maio, foi criada a denominada “Comissão de Lágrimas”, talhada, segundo relatos, para ouvir as pessoas directa ou indirectamente ligadas aos acontecimentos.

Até hoje, está por conhecer o resultado do trabalho do grupo, constituído por cerca de uma dezena de pessoas. Aliás, sequer se sabe se a Comissão chegou mesmo a iniciar a tarefa que lhe foi confiada. Daí, o Jornal de Angola ter tentado, junto de alguns dos seus (ao tempo) membros, apurar o assunto. Não houve quem se mostrasse disponível, pelas mais diferentes razões, o que é normal.

Na insistência, a repórter ouviu, de um dos então membros, um almanaque de ameaças, com tribunais e processos à mistura. Mas eram desnecessárias. Quer as intimidações, quer a arrogância que as condimentou.

- Publicidade -
- Publicidade -

FinCEN Files: Investigação revela como bancos facilitaram transferências de biliões para criminosos

Fuga de informação de mais de dois mil relatórios enviados por bancos ao Governo dos EUA apontam para transferências bancárias de 1,7 biliões de...
- Publicidade -

SIC confirma retirada de canais em Angola

Os canais da SIC vão deixar de ser emitidos pela DStv em Angola a 15 de outubro de 2020, anunciou a plataforma, em mensagem...

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais, diz investigação do ICIJ

Uma análise a documentos confidenciais produzidos por vários bancos nos Estados Unidos e enviados à agência federal FinCEN mostram como grandes bancos facilitaram o...

Justiça manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

IURD em Angola declarou-se, domingo. "surpresa" com a ordem de encerramento de quatro dos seus templos durante o culto. A justiça angolana ordenou o encerramento...

Notícias relacionadas

FinCEN Files: Investigação revela como bancos facilitaram transferências de biliões para criminosos

Fuga de informação de mais de dois mil relatórios enviados por bancos ao Governo dos EUA apontam para transferências bancárias de 1,7 biliões de...

SIC confirma retirada de canais em Angola

Os canais da SIC vão deixar de ser emitidos pela DStv em Angola a 15 de outubro de 2020, anunciou a plataforma, em mensagem...

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais, diz investigação do ICIJ

Uma análise a documentos confidenciais produzidos por vários bancos nos Estados Unidos e enviados à agência federal FinCEN mostram como grandes bancos facilitaram o...

Justiça manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

IURD em Angola declarou-se, domingo. "surpresa" com a ordem de encerramento de quatro dos seus templos durante o culto. A justiça angolana ordenou o encerramento...

Isabel dos Santos e Sindika Dokolo envolvidos em investigação internacional aos grandes bancos

Numa nova investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas, a filha do ex-presidente de Angola é alvo de dois relatórios sobre atividades suspeitas, ambos de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.