Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Para que serve mesmo o Parlamento Europeu?

Salão plenário do Parlamento Europeu em Estrasburgo (DR)

DW África

Cada vez menos cidadãos vão às urnas eleger o órgão legislativo da UE, os populistas estão mais fortes. Ainda assim, o Parlamento com sedes em três cidades completa 40 anos de influência crescente. Mas o que ele faz?

A grande maioria dos 751 membros do Parlamento Europeu tem orgulho de enfatizar que é parte de um órgão ímpar. Eleito directamente desde 1979 pelos cidadãos de todos os países da União Europeia, ele é a única instituição supranacional democraticamente legitimada do mundo. Seus integrantes legislam em nome de 512 milhões de cidadãos de todos os 28 Estados-membros.

Se o Reino Unido deixar a UE, o número de parlamentares cairá para 705. No momento, porém, parece quem 23 de maio o eleitorado britânico poderá votar mais uma vez nas eleições europeias – ou “terá que”, dependendo da atitude individual em relação ao Brexit.

Cada período legislativo dura cinco anos, e com o Reino Unido participando na eleição do nono Parlamento, ele terá papel crucial em estabelecer a configuração do órgão. É provável que haja muito mais eurocépticos e populistas de direita entre os 71 parlamentares que Londres enviará a Bruxelas, o que aumentará o peso dos grupos direitistas.

Segundo as projecções mais recentes, somados os parlamentares britânicos a proporção de populistas de direita no Parlamento Europeu chegará a 23%. A legenda governista da Hungria, Fidesz, deverá ficar com 13 assentos. Caso ela mude de aliança, unindo-se a um novo supergrupo populista, este poderá dominar 25% dos assentos. Com isso, superaria os democratas-cristãos, tornando-se o maior grupo em Bruxelas.

O número de populistas de direita e eurocépticos tem crescido continuamente nos anos recentes. Na eleição de 2014, os três grupos representantes obtiveram 20% dos assentos; na anterior, em 2009, a percentagem foi pouco mais da metade, 11%.

Órgão poderoso?

Até agora, os dois maiores dos oito grupos do Parlamento Europeu, os democratas-cristãos e os social-democratas, vinham trabalhando juntos, numa espécie de grande coligação não declarada. No futuro, pode ser preciso os liberais ou os verdes se juntarem a eles para formar uma maioria.

Coligações informais são importantes para o funcionamento suave do Parlamento. Durante o último período legislativo, ele aprovou mais de 1.100 leis, que os parlamentos nacionais dos Estados-membros então consagraram em suas respectivas legislações nacionais.

O Parlamento Europeu é a Segunda Câmara da legislatura, quase em pé de igualdade com a Primeira Câmara, o Conselho Europeu, no qual os países-membros estão representados. Via de regra, a legislação proposta pela Comissão Europeia é negociada entre o Conselho e o Parlamento, num processo acelerado de negociação (procedimento trílogo), e então submetida à sessão plenária.

Ao longo dos anos, os parlamentares acumularam muito poder e autoridade adicionais. “Lá em 1979, éramos nove países e não decidíamos nada. Hoje somos 27, ou 28, e decidimos tudo”, resume Elmar Brok, da União Democrata Cristã (CDU) da Alemanha, actualmente o deputado europeu que serve há mais tempo. “Hoje o Parlamento Europeu é mais poderoso do que alguns parlamentos nacionais. Por isso é errado dizer que ele precise de reforço: o Parlamento Europeu é forte!”

Eleito livremente, mas não igual

O Parlamento Europeu é um circo ambulante, fato que diversos de seus membros criticam severamente. Ele mantém três sedes: as sessões plenárias se realizam a cada quatro semanas na cidade francesa de Estrasburgo; os comités e partidos se encontram em Bruxelas; e a administração parlamentar está sediada em Luxemburgo.

O órgão mantém em todas as três cidades salões de assembleia plenária inteiramente operacionais, embora o de Luxemburgo quase nunca seja utilizado. As numerosas investidas dos parlamentares para reduzir esses gastos tem sido sistematicamente bloqueadas, em especial pela França, que se opõe categoricamente a abrir mão de Estrasburgo como sede primária o Parlamento Europeu.

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy declarou-se certa vez a favor do Parlamento ter apenas uma sede – contanto que ela fosse Estrasburgo. E o cancelamento das reuniões em Bruxelas seria uma economia, concluiu.

Mais de 200 legendas nacionais estão representadas no multilíngue Parlamento Europeu, sendo actualmente organizadas em oito partidos ou grupos. Como a lei eleitoral não é padronizada, cada Estado-membro organiza as eleições segundo suas próprias regras. Alguns têm um tecto mínimo de votos para inclusão no órgão europeu, outros, como a Alemanha, não.

O Tribunal Constitucional Federal alemão criticou o fato de que, embora sejam livres e gerais, os pleitos europeus não são “iguais”, no sentido legal. O voto de alguém no pequeno Luxemburgo conta mais do que o um voto do maior Estado, a Alemanha: Luxemburgo envia seis deputados, a Alemanha, 96. Isso significa que Berlim tem uma representação pequena demais, em termo de votantes elegíveis e reais.

O interesse do eleitorado nesse órgão legislativo único no mundo vem minguando desde 1979: naquele ano a participação total nas urnas foi de 63%, contra uma média de apenas 42% em 2014.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »