Portal de Angola
Informação ao minuto

Sondagem: PSD perde fôlego na reta final e deixa PS fugir

(DR)

Negócios

O PSD perdeu terreno e deixou o PS isolado como provável vencedor nas europeias de domingo. Socialistas podem eleger mais três eurodeputados do que os sociais-democratas. Bloco dispara para garantir a eleição de três deputados ao Parlamento Europeu.

Se a disputa das eleições europeias de domingo fosse uma corrida, poder-se-ia dizer que apesar de ter partido com atraso, o PSD recuperou terreno até ficar quase lado a lado com o PS para, na reta final, perder fôlego e deixar-se ficar para trás.

É isso que nos mostra a sondagem da Aximage para o Negócios e o CM, que atribui 32,5% das intenções de voto ao PS e 25,4% ao PSD. Se entre janeiro e abril os sociais-democratas cresceram mais de 50% para ficarem a menos de três pontos percentuais dos socialistas, no último mês o PSD cai quase quatro pontos e o PS cresce perto de um.

A confirmar-se o resultado projetado pela Aximage, a candidatura socialista protagonizada por Pedro Marques escapa a uma vitória por “poucochinho” como a de há cinco anos para vencer com confortáveis sete pontos percentuais de vantagem sobre a lista social-democrata encabeçada por Paulo Rangel.

Mais, o PS consegue eleger entre oito e nove eurodeputados (se eleger nove consegue o melhor resultado desde as europeias de 2004 em que colocou 12 deputados no Parlamento Europeu), enquanto o PSD elege entre seis e sete, o que significa que os socialistas podem ter mais três eurodeputados do que os sociais-democratas.

Na luta pelo terceiro lugar do pódio é o Bloco de Esquerda que sai vencedor, diz a Aximage. A lista liderada por Marisa Matias, que em abril surgia empatada com a CDU (coligação eleitoral entre PCP e Verdes), regista a maior subida (cresce três pontos) para atingir 11,4% de votos válidos. Depois de em 2014 não ter chegado sequer aos 5% e de ter elegido apenas Marisa Matias, com este resultado o Bloco elegeria três eurodeputados e repete o feito obtido em 2009.

Também a CDU sobe, embora apenas um ponto para 9,3%, ficando bastante aquém do bom resultado conseguido há cinco anos e que faria a lista liderada por João Ferreira perder um eurodeputado comparativamente com os três eleitos em 2014.

O CDS cai na mesma medida da subida da CDU, com a candidatura de Nuno Melo a ficar-se pelos 6,8%, ainda assim suficiente para os centristas acalentarem esperanças de reforçar a representação em Estrasburgo (podem eleger entre um e dois eurodeputados).
No campeonato dos pequenos partidos, o estudo da Aximage individualiza apenas a Aliança (2,5%) e o PAN (1,4%), no entanto nenhum assegura lugares no PE.

A recuperação empreendida pelo PSD foi em grande medida impulsionada pelo desgaste que a polémica da nomeação de familiares para cargos ministeriais causa ao PS (e ao Governo), porém o desfecho da crise dos professores não só interrompeu a ascensão dos sociais-democratas e os deixou em queda como recolocou os socialistas numa tendência positiva.

Perto de dois terços (61,4%) dos inquiridos pela Aximage antecipa que o PS vai vencer as eleições de 26 de maio e somente 13,7% acreditam que o PSD pode ganhar.

A bloquista é claramente avaliada como a melhor cabeça de lista, sendo mesmo a única a conseguir uma nota positiva (11, numa escala de 0 a 20) em termos globais e mesmo no eleitorado dos partidos adversários. No caso dos eleitores do PS, a bloquista consegue mesmo melhor nota (14) do que o socialista Pedro Marques (13,7). Marisa destacou-se no período de pré-campanha e campanha eleitoral como a candidata mais avessa à troca de galhardetes e mais focada na discussão de temas relacionados com a União Europeia.

Seguem-se com avaliações muito próximas entre si os candidatos João Ferreira (8,9), Paulo Rangel (8,7), Pedro Marques (8,6) e Nuno Melo (7,8).

FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 622 entrevistas efectivas: 300 a homens e 322 a mulheres; 59 no Interior Norte Centro, 89 no Litoral Norte, 108 na Área Metropolitana do Porto, 109 no Litoral Centro, 174 na Área Metropolitana de Lisboa e 83 no Sul e Ilhas; 110 em aldeias, 163 em vilas e 349 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 16 a 20 de Maio de 2019, com uma taxa de resposta de 73,5%.

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 622 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,019 (ou seja, uma “margem de erro” – a 95% – de 3,80%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de João Queiroz.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »