Portal de Angola
Informação ao minuto

PM tentou atrapalhar investigações sobre o assassinato de Marielle, aponta relatório da PF

O policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha — (Foto: Reprodução)

G1

Um relatório da Polícia Federal (PF) da investigação da investigação da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes aponta um policial militar como responsável por atrapalhar os trabalhos da polícia.

A PF afirma que o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, criou uma história com a finalidade de confundir as autoridades – e aproveitou a trama para se vingar.

Ferreirinha é ex-aliado de Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, a quem acusou de tramar o atentado, ao lado do vereador Marcello Siciliano. Ambos sempre negaram envolvimento.

O atentado completou 14 meses este mês. A Polícia Civil afirma ter prendido os assassinos, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz. O inquérito, no entanto, não aponta os mandantes.
MP pode pedir prisão de PM
Dodge pediu que a PF apurasse a conduta de agentes das polícias Civil e Federal no caso após indícios de irregularidades. O relatório tem 600 páginas.

Cabe, no entanto, ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) apresentar denúncia ou não contra Ferreirinha. Ele pode ser preso por falso testemunho, segundo aponta a investigação da PF.

A informação foi inicialmente publicada pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, e confirmada nesta quinta-feira (23) pela TV Globo.

Durante meses, Ferreirinha foi considerado a principal testemunha do Caso Marielle. Em delação, o PM apontou Orlando e Siciliano como mandantes das mortes.

“Ela peitava o miliciano e o vereador. Os dois [o miliciano e Marielle] chegaram a travar uma briga por meio de associações de moradores da Cidade de Deus e da Vila Sapê. Ela tinha bastante personalidade. Peitava mesmo”, revelou Ferreirinha à polícia.
PONTOS DA DELAÇÃO DE FERREIRINHA

Ferreirinha afirmou que Marcello Siciliano (PHS) e Orlando Curicica queriam Marielle morta.
A motivação seria o avanço de ações comunitárias da vereadora na Zona Oeste.

Conversas sobre o crime teriam começado em junho de 2017.

Ex-aliado de Orlando citou, além de Siciliano e o miliciano, outras quatro pessoas.

Homem chamado “Thiago Macaco” teria levantado informações sobre Marielle.

Em março, a TV Globo mostrou com exclusividade o depoimento da advogada de Ferreirinha à PF. Camila Nogueira disse que desconfiava
da versão apresentada pelo cliente e que se sentiu usada.

A advogada esclareceu que “essa criação de Rodrigo Ferreira e a manipulação com os policiais civis que fez com ela foi mais um dos fatos que levaram a declarante a ter medo de ficar nessa situação”.

Os delegados da PF que apresentaram Ferreirinha como testemunha também foram investigados, assim como alguns policiais civis. O relatório não aponta nada contra eles.

Suspeitos da execução estão presos

No dia 12 de março deste ano, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz foram presos por suspeita de envolvimento no crime. Para os investigadores, Ronnie teria sido o autor dos disparos e Élcio dirigia o carro usado no dia do crime. Ambos estão em um presídio federal fora do Rio. As investigações se concentram na busca pelo mandante.

Em maio deste ano, a Justiça do RJ negou o pedido de liberdade feito pela defesa de Élcio Queiroz. Ficou marcada para o dia 7 de junho a data de instrução e julgamento do caso.

A vereadora Marielle Franco foi morta a tiros no dia 14 de março de 2018 no bairro do Estácio, na Região Central do Rio, quando voltava de um evento na Lapa. O motorista do veículo, Anderson Gomes, também foi atingido e morreu.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »