Portal de Angola
Informação ao minuto

Ambientalistas criticam delapidação de recursos moçambicanos

Obra do ecologista Carlos Serra, Moçambique, 2015. Serra usa material reciclado. (DR)

VOA

Aberta pelo chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, a conferência visa promover a economia azul, ou seja baseada nos oceanos, e serve para Moçambique se juntar ao movimento global dinamizado pelas Nações Unidas, para a conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos.

O ambientalista e jurista Carlos Serra Júnior, disse que Moçambique deve fazer desta conferência uma oportunidade para aperfeiçoar as acções de preservação da biodiversidade, através de protocolos regionais.

“Chamamos a atenção para Moçambique, em especial, nesta luta pela conservação dos oceanos. Um protocolo para a prevenção e combate à poluição plástica pode ser o resultado muito importante e relevante para Moçambique e para o mundo também”, destacou aquele ambientalista.

Filipe Nyusi anunciou que o seu Governo está a elaborar um plano para o combater o lixo marinho e o uso insustentável dos recursos naturais nas águas territoriais moçambicanas.

Alguns críticos dizem que ao nível da retórica parece estar tudo muito bem, mas os chineses estão a rapar os recursos marinhos. “E nessa actividade criminosa, os chineses têm a protecção de algumas figuras do Governo”, acusam.

A conferencia “Crescendo Azul,” que termina esta sexta-feira,24, tem a participação de cerca de seiscentas pessoas, entre estadistas, governantes e especialistas de todo o mundo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »