Portal de Angola
Informação ao minuto

Mulher de comandante da Polícia recebeu apartamento em esquema de corrupção

Imagem ilustrativa (DR)

VOA

A mulher de um antigo dirigente da polícia nacional de Angola comprou um apartamento em Lisboa com fundos provenientes de uma companhia que mediou o contracto da venda de material policial a Angola, foi revelado em Madrid.

A alegação está num documento emitido pelo juiz espanhol José de La Mata que decidiu indiciar a companhia espanhola DEFEX envolvida na venda do material e confirmar as acusações anteriormente emitidas contra 24 pessoas, incluindo destacados dirigentes da DEFEX por alegada corrupção, lavagem de dinheiro e desvio de fundos.

O juiz tornou claro que quer que seja cumprido o mandato de captura contra o cidadão luso angolano Augusto de Oliveira Taveira Pinto acusado de corrupção que se pensa estar fugido em Luanda e que foi quem teria financiado a compra do apartamento da esposa do dirigente da polícia angolana.

Taveira Pinto é considerado pelo juiz como “uma peça chave” no caso de corrupção envolvendo a venda de material à polícia Nacional de Angola.

O juiz confirmou o mandato da captura internacional contra Taveira Pinto que para além de envolvimento neste caso está também envolvido num outro caso de corrupção com uma outra companhia espanhola a MERCASA.

Depois de comparar a alegada participação de Taveira Pinto em ambos os casos o juiz afirma que a alegada actividade criminosa do luso-angolano “era sistémica e projectada em todos os âmbitos da sua actividade com as empresas espanholas”.

O caso da Defex diz respeito a um contracto de 2008 para a venda de material à polícia de Angola cujo valor foi inflacionado em dezenas de milhões de dólares, com o pagamento de milhões de dólares em subornos a diversas entidades espanholas e angolanas.

Segundo o juiz, Taveira Pinto foi “o responsável directo da ponta de lança da corrupção transnacional perante as autoridades angolanas” e foi uma “peça chave e permanente da organização”.

Taveira Pinto foi também “o gestor de todos os pagamentos ilícitos “ feitos a entidades angolanas e foi também responsável de formar e “gerir uma boa parte da estrutura de sociedades fictícias e emitir facturas falsas para dar cobertura aos pagamentos”.

O luso angolano, disse o juiz, embolsou milhões de Euros , incluindo 4,75% do contracto principal que teria sido pago a companhias controladas por Taveira Pinto e que inclui ainda uma comissão pessoal de 2,4 milhões de Euros.

Esse dinheiro foi usado para a compra de uma vivenda em Portugal no valor de 250.000 Euros e registada em nome das suas filhas.

Uma companhia controlada por Taveira Pinto, a Kyandra Ventures LLC, forneceu os fundos para a compra de um imóvel em Lisboa no valor de 275.000 Euros pela mulher do comandante da polícia e que foi depois registado em nome do seu filho

Anteriormente a procuradoria fiscal espanhola tinha dado a conhecer as suas acusações contra 27 pessoas acusadas de diversos crimes de corrupção no mesmo caso.

A acusação de 237 páginas afirma que, entre os angolanos que receberam subornos, estão o general Armando da Cruz Neto, então embaixador angolano em Madrid, o antigo vice-ministro da defesa Demóstenes Chilingutila e o então comandante geral da PN, comissário Ambrósio de Lemos.

O jornal El Espanol noticiou por outro lado que a Procuradoria Geral de Angola tinha arquivado o processo de investigação contra vários dos acusados espanhóis, bem como o luso-angolano Taveira Pinto.

“Em concreto, não foi possível provar de modo suficiente a existência de pagamentos, entrega de presentes a nenhum funcionário público que possa constituir delito à luz das leis angolanas”, disse a procuradoria angolana, citada pelo jornal El Espanol.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »